EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A França conseguiu a assinatura de 75 empresas de tecnologia para a sua proposta de taxação de negócios do setor na Europa. Google, Facebook e Microsoft estão entre algumas das signatárias que apoiaram a medida proposta pelo presidente Emmanuel Macron, porém Amazon e Apple mantiveram-se fora das companhias apoiadoras e não assinaram.

A chamada Tech for Good Call é uma proposta de alteração nas tarifas locais praticadas para empresas de tecnologia, e foi promovida pelo líder francês em meio ao progresso desenfreado de várias empresas do setor na Europa, mesmo frente à atual pandemia. A ideia é coibir avanços descontrolados de empresas que possam, por ventura, estar tirando lucros do sofrimento dos impactados pela Covid-19.

publicidade

Reprodução

Apple recusou-se a assinar reformulação tarifária para empresas de tecnologia na Europa. Foto: Primakov/Shutterstock

Além de uma reforma na tarifação de negócios das empresas signatárias, a iniciativa também estabelece objetivos de redução e impedimento de conteúdos como pornografia infantil, terrorismo ou violência extrema. Apesar da recusa de algumas companhias, o avanço da medida representa mais uma derrota para o governo de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, que sempre se posicionou contrário à ideia de Macron antes de perder as eleições do dia 3 de novembro.

O relatório divulgado hoje (30) pelas autoridades francesas ainda ressalta que a Apple está em conversas com o legislativo local e pode acabar assinando sua participação posteriormente. Já a Amazon está em posição de recusa definitiva e não deve mudar seu posicionamento. A empresa de e-commerce não respondeu a pedidos de comentário da mídia.

publicidade

Especialistas divididos

Há quem diga que a Tech for Good Call seja uma tentativa glorificada de manter aparências amistosas frente a um ambiente cada vez mais volátil: segundo Romain Dillet, colunista do TechCrunch, a iniciativa pode ser comparada a um “ensaio fotográfico”.

“Em 2018, centenas de organizações assinaram um tratado em Paris. Em 2019, as maiores redes sociais assinaram um termo em relação ao atentado de Christchurch. E agora, temos a Tech for Good Call. Nenhuma dessas ações substitui a devida regulamentação”, disse o jornalista.

A situação toda, porém, começou com os Estados Unidos: em junho deste ano, diversas nações europeias passaram a favorecer a ideia de um acordo unilateral de tarifas após Donald Trump tirar os EUA das negociações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD, na sigla em inglês). As tratativas originais buscavam criar um sistema unificado de tarifas que fosse obedecido por todos os países.

Reprodução

Donald Trump foi um dos principais opositores da medida europeia, mas sua saída da Casa Branca pode fazer com que o país retorne à mesa de negociação. Imagem: Casa Branca/Shealah Craighead

Trump ameaçou retaliações caso o bloco europeu pressionasse por uma ação unilateral, mas isso não funcionou: as nações europeias argumentaram que empresas americanas de tecnologia recolhem impostos mínimos, deixando desigual o ambiente competitivo. Assim, a proposta de Macron acabou avançando, apesar das ações contrárias de Washington.

A expectativa, agora, é de que com a saída de Trump e Joe Biden entrando à Casa Branca como novo presidente dos Estados Unidos, seja possível retomar as discussões globalizadas de novas tarifas. Por ora, nenhuma das partes arriscou qualquer comentário.

Via: TechCrunch