EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Parece que a história de algumas espécies de dinossauros podem ser recontadas aqui no Brasil, mesmo após milhões anos. Recentemente novas pistas sobre a origem do Tiranossauro Rex e do Velociraptor foram encontradas no Rio Grande do Sul. Paleontólogos analisaram o fóssil do antepassado denominado Erythrovenator jacuiensis e as análises já mexeram com a comunidade científica brasileira e também internacional.

De acordo com o estudo publicado no final do mês passado no Journal of South American Earth Sciences, a espécie tinha pelo menos dois metros de altura e nove quilos. Rodrigo Temp Müller, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e principal autor da pesquisa, destaca que apesar do pouco tamanho, o dinossauro deveria ser extremamente rápido.

publicidade
Erythrovenator jacuiensis era menor que os sucessores. Créditos: UFSM/Divulgação

A conclusão foi elaborada depois de vários estudos sobre o fóssil encontrado em Agudo, na região central do estado. O material foi coletado em 2017 e as análises levaram Müller a reconhecer que se tratava de uma perna do animal. “Entretanto, apesar do tamanho pequeno, ele provavelmente foi um predador ágil, uma vez que o fêmur preserva estruturas de inserção muscular bastante desenvolvidas”, explica o paleontólogo.

Segundo Müller, que também atua no Laboratório de Paleontologia no Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia, da UFSM, Erythrovenator jacuiensis é um dos terópodes mais antigos já descoberto e teria vivido há 230 milhões de ano.

O nome do dinossauro significa “caçador vermelho do Rio Jacuí’ em referência à coloração avermelhada do fóssil e ao rio próximo a localidade onde ele foi descoberto.

Além do T-Rex, Erythrovenator jacuiensis também pode ter dado origem ao Velociraptor. Créditos: Kamomeen/Shutterstock

Desafiando a evolução dos dinossauros

Müller já é conhecido por estudos que, entre outras coisas, desafiam os mistérios envolvendo a evolução dos dinossauros no mundo. Em setembro deste ano, o paleontólogo e outros pesquisadores da UFSM elaboraram uma pesquisa que sugere que os silessaurídeos, antes considerados apenas parentes próximos, podem ser os ancestrais dos dinossauros ornitísquios. A hipótese confronta um antigo mistério sobre a linhagem evolutiva desses seres.

publicidade

Via: G1