EnglishPortugueseSpanish

O Mega, serviço de hospedagem fundado por Kim Dotcom em 2013, vem aplicando duras medidas contra o compartilhamento de conteúdo protegido por direitos autorais. A empresa decidiu banir milhares de contas por práticas ligadas a crimes digitais.

Apesar de constante preocupação com a privacidade e a segurança dos assinantes, o compartilhamento de conteúdos protegidos ainda era relativamente fácil dentro da plataforma. Bastava uma chave para conseguir acessar, por exemplo, um filme armazenado nos servidores do serviço.

publicidade

Violações às regras do serviço funcionavam, principalmente, via compartilhamento de chaves pela web. A prática estava ligada à distribuição ilegal de filmes, músicas, episódios de programas de TV, dentre outros. No entanto, o Mega parece estar disposto a mudar a imagem negativa.

Combate à violação de direitos autorais

Para proteger os criadores de conteúdo audiovisual, a plataforma alerta para o compartilhamento não autorizado de arquivos. Ao identificar, o Mega leva, em média, alguns poucos minutos para excluí-lo dos servidores da plataforma.

De setembro de 2019 até setembro de 2020, mais de um milhão de reclamações envolvendo violação de direitos autorais foram registradas no Mega. Imagem: AlexLMX/Shutterstock

Apesar do alto volume de dados, o número de chamados relacionados a pirataria é relativamente baixo. Segundo a companhia, no terceiro trimestre de 2020, links retirados do ar representaram 0,0004% dos 84 bilhões de arquivos salvos na plataforma.

Medidas severas contra crimes digitais

Até 2015, a empresa tolerava até cinco advertências (ou ‘strikes’) antes de aplicar punições mais severas. Desde então, esse número foi reduzido para apenas três. Até o dia 30 de setembro de 2020, o Mega suspendeu quase 95 mil usuários por violarem de forma repetitiva as diretrizes do serviço.

publicidade

Além do combate à violação de direitos autorais, o Mega também luta contra o compartilhamento de conteúdo relacionado à prática de outros crimes digitais, como a exploração infantil. Neste caso, o número de ocorrências aumenta consideravelmente, ultrapassando 565 mil contas suspensas.

Número de usuário suspensos corresponde a uma porcentagem ínfima se comparado com o total de usuários da plataforma. Imagem: Andrey_Popov/Shutterstock

Segundo a companhia, nessas situações, as informações dos envolvidos no crime são enviadas diretamente às autoridades responsáveis. Ainda sobre o envio da dados para investigação, o Mega ressalta que tem as informações cadastrais de cada usuário, bem como os endereços de IP utilizados para acessar à plataforma.

Até o fim de 2013, estima-se que o Mega hospedava pouco mais de meio milhão de arquivos em seus servidores. Até o fim do ano passado, o número ficou próximo da marca de 65 bilhões. Em média, os usuários do serviço fazem upload de aproximadamente 65 milhões de arquivos por dia.

Via: TorrentFreak