EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Não estamos onde achávamos que estávamos. Um novo mapa da Via Láctea, feito por pesquisadores japoneses, descobriu que a Terra está cerca de dois mil anos-luz mais perto do buraco negro supermassivo no centro da galáxia do que se acreditava. E não é só isso: viajamos pelo universo numa velocidade 7 km/s maior do que a registrada inicialmente.

A pesquisa, publicada na revista da Sociedade Astronômica do Japão, é resultado de 15 anos de observações do projeto Vera (VLBI Exploration of Radio Astrometry, ou Exploração de Rádio Astrometria com VLBI, que aliás significa Interferometria de Linha de Base Muito Longa). Usando radiotelescópios espalhados por todo o arquipélago japonês, o projeto atingiu a mesma resolução que um telescópio de 2.300 km de diâmetro teria.

publicidade

Graças à técnica, a precisão da medição alcançada, em 10 microssegundos de arco, é nítida o suficiente para – em teoria – observar uma moeda de um centavo na superfície da Lua. Esse poder foi utilizado para modelar a Via Láctea como se estivéssemos de fora da galáxia, e assim compreender sua estrutura geral e a posição da Terra nela.

Mapa de posição e velocidade da Via Láctea. As setas mostram os dados de posição e velocidade dos 224 objetos usados para modelar a galáxia. As linhas pretas mostram as posições dos braços espirais da Galáxia. As cores indicam grupos de objetos pertencentes ao mesmo braço. Imagem: NAOJ/Divuulgação

Com base no primeiro catálogo de Astrometria Vera contendo dados de 99 objetos, e observações recentes feitas por outros grupos, os astrônomos construíram um mapa de posição e velocidade da Via Láctea. O modelo sugere que Sagittarius A*, o buraco negro supermassivo do centro da galáxia, está localizado a 25.800 anos-luz da Terra. Isso é mais próximo do que o valor oficial de 27.700 anos-luz adotado pela União Astronômica Internacional em 1985.

O componente de velocidade do mapa ainda indica que a Terra está viajando a 227 km/s enquanto orbita ao redor do centro galáctico. Isso é mais rápido do que o valor oficial de 220 km/s. Os pesquisadores agora esperam observar mais objetos, particularmente aqueles próximos ao buraco negro supermassivo central, para melhor caracterizar a estrutura e o movimento da Via Láctea.

publicidade