O Google anunciou a seus parceiros que a partir desta quinta-feira (14) está suspensa a veiculação de quaisquer anúncios políticos ou relacionados ao ataque ao capitólio em suas plataformas de publicidade, “como consequência dos eventos sem precedentes da semana passada e em antecipação à posse presidencial” que ocorrerá em 20 de janeiro.

Segundo um e-mail enviado pela empresa, anunciantes não poderão veicular anúncios políticos ou que façam “referência a candidatos, à eleição, ao seu resultado, à posse presidencial, ao processo de impeachment do atual presidente, à violência no capitólio ou a futuros protestos relacionados a estes tópicos”.

publicidade

A nota afirma que “não haverá exceções a esta política para a mídia ou anunciantes de mercadorias”. A medida se aplica a anúncios exibidos em quaisquer uma das plataformas de publicidade do Google, incluindo Google Ads, DV360, YouTube e AdX Authorized Buyer.

O Google afirma que será “extremamente vigilante” na fiscalização de suas regras contra conteúdo perigoso ou derrogatório, que proíbe quaisquer anúncios que promovam o ódio ou incitem a violência.

A empresa já instituiu proibições similares no passado, para evitar confusão dos consumidores em relação a eventos e tópicos sensíveis. Durante março e o início de abril a empresa proibiu anúncios relacionados à Covid-19, para evitar a venda de produtos falsos ou a cobrança de preços abusivos.

Antes de suspender esta nova proibição, o Google irá “examinar cuidadosamente um número de fatores”. Mas o plano atual é mantê-la em vigor até 21 de janeiro, dia da posse do presidente-eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.

Contribuições políticas também pararam

Além de impedir a veiculação de anúncios com caráter político, o Google é uma das muitas empresas de tecnologia que suspenderam as contribuições aos PACs (Political Action Comitee, Comitê de Ação Política), ONGs que arrecadam contribuições de seus membros e doam este valor às campanhas de candidatos que representam seus interesses.

Outra empresa que suspendeu as contribuições políticas foi o Facebook: “após a terrível violência na semana passada em DC, estamos pausando todas as nossas contribuições aos PACs ao menos pelo trimestre atual, enquanto revisamos nossa política interna”, disse Daniel Roberts, porta-voz da empresa, em declaração ao The Verge.

A Microsoft também está pausando suas contribuições políticas “até que possamos determinar as implicações dos eventos da semana passada”, afirmou um porta-voz. “Nosso PAC regularmente pausa suas doações no primeiro trimestre de um novo congresso, mas neste ano tomaremos medidas extras para levar em consideração os eventos recentes e consultar nossos funcionários”.

A operadora de telefonia AT&T também anunciou nesta segunda-feira que irá “suspender contribuições a todos os membros do congresso que se opuseram à certificação dos votos do Colégio Eleitoral na semana passada”. O Airbnb também anunciou em seu blog que está suspendendo as contribuições a todos os que votaram contra a certificação dos resultados da eleição presidencial”.

Fonte: Axios