EnglishPortugueseSpanish

Com foco na privacidade dos seus usuários e livre de propagandas, a rede social MeWe ganhou 2,5 milhões de usuários em uma semana. As políticas de privacidade invasivas, a falta de segurança cibernética e os recentes episódios de suspensão de milhares de contas após a invasão do Capitólio foram alguns dos fatores que têm gerado uma migração massiva e recente do Facebook às outras plataformas menos populares.

Desde o seu lançamento, em 2016, até outubro do ano passado, os números do MeWe revelam que o serviço ganhou mais 6 milhões de usuários, ultrapassando a marca dos 15 milhões.

publicidade

De acordo com o MeWe, isso se deve ao fato das pessoas procurarem uma “rede social que respeite seus usuários”. O objetivo da plataforma é aproveitar esse cenário positivo para tentar se tornar a rede social mais popular do momento.

Por enquanto, o principal desafio é trabalhar com uma infraestrutura capaz de suportar esse crescimento tão rápido sem apresentar falhas ou interrupções no serviço. Segundo os investidores da plataforma, o MeWe está pronto para receber novos usuários.

Mewe chegou a ser o aplicativo mais baixado no Android

Signal, Telegram, MeWe
Signal, Telegram e MeWe figuram entre os aplicativos mais populares do momento. Imagem: Ascannio/Shutterstock

Vale destacar que o MeWe chegou a ocupar, na última sexta-feira (15), a primeira posição no ranking de aplicativos mais baixados da categoria ‘Social’ na Google Play Store.

Na Play Store americana, MeWe fica entre os cinco aplicativos mais populares da loja oficial do Google. Créditos: ZDNet

O aplicativo, entretanto, acabou perdendo a liderança para o Signal e o Telegram, duas alternativas que também vêm crescendo graças às novas políticas de privacidade e compartilhamento de dados do WhatsApp.

publicidade

Com tradução para 20 línguas diferentes, a rede social também ocupou a primeira posição entre os aplicativos mais baixados em Hong Kong.

Além de gratuito, o MeWe também oferece um serviço premium dentro da plataforma por US$ 1.99 para páginas de negócios. Por fim, resta saber como as outras plataformas rivais, ainda dependentes do formato tradicional de anúncios e coleta de dados, vão responder à ameaça desse novo concorrente.

Via: ZDnet

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!