A Alphabet Inc., empresa que controla o Google, anunciou nesta sexta-feira (22) que está encerrando o projeto Loon, uma ambiciosa iniciativa para desenvolver um sistema de balões para levar internet rápida a locais remotos do planeta.

O motivo não é tecnológico: os “balões do Google” já foram usados com sucesso em vários casos, como no auxílio ao resgate de vítimas de um terremoto no Peru, e os engenheiros do projeto constantemente quebraram recordes de altitude e permanência no ar.

publicidade

A versão atual do sistema pode entregar cobertura de internet móvel a uma área de 11 mil quilômetros quadrados, 200 vezes maior do que uma torre de telefonia celular tradicional.

Balão do Loon em pleno voo
Balão do Loon em pleno voo. Imagem: Loon / Alphabet Inc.

O maior problema para o projeto é aquele que afeta a maioria das ideias pioneiras: dinheiro. Segundo Alastair Westgarth, CEO da Loon (empresa criada para tocar o projeto), o objetivo era conectar à internet não o “próximo” bilhão de pessoas, mas sim o “último” bilhão, comunidades em áreas remotas que são muito difíceis de alcançar, ou onde implantar um serviço usando tecnologias já existentes e caro demais.

Na última década, muitas das regiões que não tinham serviço se tornaram conectadas, e a disponibilidade de acesso à internet no mundo todo hoje está em 93%. Segundo a Wired, as áreas restantes são ocupadas por povos que não podem pagar pelos smartphones 4G que recebem os sinais do Loon, ou que não creem que se conectar à Internet vale o esforço.

E embora a empresa tenha encontrado vários parceiros dispostos a participar da jornada, não conseguiu encontrar uma forma de manter os custos baixos o bastante para criar um negócio sustentável a longo prazo.

Isso não significa que o esforço de uma década foi em vão. “Assim como a tecnologia do Loon foi construída com base em trabalho pioneiro feito por outros em campos como aviação, meteorologia e inteligência artificial, esperamos que algumas das tecnologias do Loon sobrevivam para apoiar a próxima geração de inovadores”, diz Westgarth.

Via: Wired