EnglishPortugueseSpanish

Com preço de US$ 5,25 cada dose, as primeiras 2 milhões de unidades da Covishield, comprada da AstraZeneca pelo Brasil, custam mais que o dobro das unidades vendidas para a União Europeia. Os dados vêm da Fiocruz, que confirmou o custo no início de janeiro, e de um tuíte de Eva De Bleeker, ministra de Orçamentos da Bélgica, que mostra que a vacina foi negociada unitariamente por US$ 2,16 no bloco europeu.

O primeiro lote comprado pelo Brasil chega hoje ao país. As vacinas são produzidas pelo Instituto Serum, da Índia, um dos centros capacitados pela AstraZeneca para produzir o imunizante. Procurado pelo UOL, o Instituto Serum não pôde conversar com a reportagem. Já a assessoria da AstraZeneca no Brasil informa que a empresa apenas intermediou a negociação, sem se envolver.

publicidade

A Fiocruz confirma os valores negociados e a atuação da farmacêutica como intermediária. A África do Sul também pagou US$ 5,25 por dose, de acordo com o pelo jornal The Guardian. À publicação, o governo sul-africano disse que o argumento foi de que o país não participou do processo de desenvolvimento da vacina e que o desconto no preço é dado às nações que investiram na pesquisa.

Vacina mais barata

Mesmo assim, a Covishield é a vacina mais barata do mercado. A AstraZeneca diz que comercializa o produto pelo preço de custo. Além disso, sua distribuição e seu armazenamento são simples.

Outras 100 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca já foram compradas pela Fiocruz. Segundo a entidade, essas unidades foram negociadas a US$ 3,16 por dose — ainda um preço mais alto do que o divulgado pela ministra belga para a União Europeia. Nesse caso, o custo é menor porque o imunizante será envasado aqui no país.

O preço das doses de vacina tem sido debatido por especialistas, inclusive os da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Mundial do Comércio (OMC). As empresas, por sua vez, garantem que oferecem os produtos por preço próximo ao de custo. No fim do ano passado, a AstraZeneca declarou que cobraria no máximo US$ 3 por unidade do imunizante para garantir que ele chegue ao máximo de pessoas possível.

publicidade

Via: UOL