EnglishPortugueseSpanish

A Clubhouse, rede social para conversas por voz que vem ganhando força nos EUA, foi bloqueada pelo “Grande Firewall” da China. Usuários em grupos de WeChat começaram a relatar inabilidade de se conectar ao serviço na manhã desta segunda-feira, e tentam ajudar uns aos outros a contornar o bloqueio usando tecnologias como uma VPN.

A rede recebeu críticas até mesmo nos EUA, por sua moderação ineficaz e ausência de sistemas de prevenção de abuso, portanto não é de se espantar que fosse banida na China, país onde o governo exerce controle rígido sobre todos os meios de comunicação.

publicidade

A lista de apps e serviços norte-americanos banidos na China é grande, e inclui nomes como o Google e Facebook. O motivo é sempre o mesmo: o governo chinês exige que redes sociais lhes deem acesso ao conteúdo de conversas e dados dos usuários. Este acesso é usado para censurar tópicos como críticas ao governo ou para identificar dissidentes.

O governo chinês exerce controle rígido sobre todos os meios de comunicação, incluindo redes sociais como a Clubhouse
O governo chinês exerce controle rígido sobre todos os meios de comunicação, incluindo redes sociais e apps de mensagens como o Clubhouse. Imagem: Ivan Marc / Shutterstock

O Clubhouse (que é exclusivo para iPhone) ganhou popularidade nas últimas duas semanas, apesar de não estar listado na App Store para os usuários na China. Ainda assim, o acesso era livre, mesmo sem uma VPN, desde que o usuário conseguisse uma forma de instalá-lo em seu dispositivo.

Não é possível estimar o número de usuários do Clubhouse na China, mas uma sala discutindo os protestos que levaram ao massacre na praça da paz celestial, em 1989, chegou ao limite de 5 mil usuários simultâneos. O tema é proibido em praticamente todas as plataformas de mensagens e redes sociais no país.

Segundo o TechCrunch, a popularidade do Clubhouse já provocou o surgimento de alguns “clones” chineses baseados no mesmo conceito. Ou seja, os usuários poderão continuar a conversar por voz, mas devem ter cuidado com o que dizem. Afinal as paredes, mesmo as das salas de bate-papo, têm ouvidos.

publicidade

Fonte: TechCrunch