EnglishPortugueseSpanish

Confusão mental, dor de cabeça e perda de memória de curto prazo. Pacientes de Covid-19 que têm esses sintomas, podem estar com “cérebro de Covid”. Conhecida em inglês como brain fog (névoa de cérebro, em tradução livre), a condição é incomum, mas preocupante. Em casos graves, pode causar até psicose e convulsões.

Segundo pesquisadores do hospital Memorial Sloan Kettering (MSK), em Nova York, nos Estados Unidos, a sequela pode ser consequência da presença de moléculas inflamatórias no líquido ao redor do cérebro e da medula espinhal, o líquido cefalorraquidiano, em quem tem Covid-19. Essa conclusão pode indicar possíveis tratamentos, como os a base de anti-inflamatório.

publicidade

O estudo foi publicado na edição de fevereiro da revista Cancer Cell. Jessica Wilcox, pesquisadora-chefe em neuro-oncologia do MSK, conta que profissionais da medicina intensiva observaram delírios graves em pacientes hospitalizados com Covid-19. “Aquela reunião se transformou em colaboração para aprender o que estava acontecendo e ver como poderíamos ajudar nossos pacientes.”

Funções do cérebro podem ser afetadas pela covid-19
Disfunções neurológicas têm sido ligadas à Covid-19. Foto: Naeblys/Shutterstock

Participaram da pesquisa 18 pacientes hospitalizados no MSK com Covid-19. Todos enfrentavam disfunções neurológicas graves e passaram por varreduras cerebrais, tomografia computadorizada e monitoramento de eletroencefalograma.

O objetivo era encontrar a causa dos delírios e, como nada explicava a situação, os cientistas pensaram que a resposta poderia estar no líquido cefalorraquidiano. “Descobrimos que esses pacientes com Covid-19 apresentavam inflamação persistente e altos níveis de citocinas no líquido cefalorraquidiano”, conta o pesquisador Jan Remsik. “Isso explicava os sintomas que eles tinham.”

Cérebro tem privilégios imunológicos?

Adrienne Boire, médica-cientista no MSK, diz que os pesquisadores costumavam pensar que o sistema nervoso era um órgão com privilégios imunológicos. “Isso significaria que ele não tinha nenhum tipo de relação com o sistema imunológico”, explica. “Agora, quanto mais olhamos para ele, mais encontramos conexões entre os dois.”

Uma das alternativas para combater a inflamação no cérebro de pacientes com Covid-19 é a administração de esteroides. Essa estratégia é aplicada em doentes que usam imunoterapia com células T de receptor de anticorpo quimérico (CAR) contra câncer de sangue. Quando a medicação é aplicada, as células imunológicas liberam citocinas, que ajudam o corpo a enfrentar a doença, mas cujo efeito colateral são os sintomas neurológicos.

Via: ScienceDaily