EnglishPortugueseSpanish

Quatro orangotangos e cinco bonobos do Zoológico de San Diego, na Califórnia, nos Estados Unidos, foram os primeiros animais a receber vacina contra a covid-19. Tratadores do local descobriram no início de janeiro, através de testes em fezes, que oito gorilas tinham testado positivo para a variante do coronavírus detectada na Califórnia. Eles tossiam, se moviam mais devagar do que o normal, mas se recuperaram semanas depois.

A San Diego Zoo Wildlife Alliance, a organização sem fins lucrativos que administra o zoológico, informou que o grupo recebeu duas doses de uma vacina experimental para animais desenvolvida pela farmacêutica veterinária Zoetis.

publicidade

“Isso não é comum. Ao longo da minha carreira não tive acesso a uma vacina experimental tão precocemente durante o processo de desenvolvimento e nunca tive tamanha vontade de testar uma vacina”, disse Nadine Lamberski, diretora de preservação e saúde de animais selvagens da San Diego Zoo Wildlife Alliance.

Vale lembrar que infecções já foram confirmadas em animais como leões, leopardos-das-neves, pumas, tigres, visons, um furão, cães e gatos domésticos. A novidade que preocupou os cientistas foi saber que grandes símios são suscetíveis ao novo coronavírus (Sars-CoV-2).

A vacina contra a covid-19 da Zoetis começou a ser desenvolvida após o primeiro cão testar positivo para o vírus, em fevereiro de 2020, em Hong Kong. Em outubro do ano passado, a segurança e a eficácia do imunizante foram determinadas para cães e gatos. Mesmo assim Nadine Lamberski decidiu arriscar e fazer a aplicação nos símios, que não apresentaram reações adversas e estão bem.

“É comum utilizarmos vacinas desenvolvidas para cães e gatos em leões e tigres”, explicou a diretora de preservação e saúde de animais selvagens da San Diego Zoo Wildlife Alliance. Os símios do Zoológico de San Diego recebem vacinas humanas contra gripe e sarampo.

“Faz muito sentido. Esses animais são incrivelmente preciosos. Há um número pequeno de grandes macacos em cativeiro”, ressaltou Pascal Gagneux, zoólogo da Universidade da Califórnia em San Diego, ao jornal San Diego Union-Tribune.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!