Há cerca de um mês, nos Estados Unidos, houve picos nas pesquisas do Google relacionadas à fadiga e também a famosa pergunta de “por que me sinto mal?”, ou seja, o assunto atingiu o recorde de buscas. Isso porque há uma sensação coletiva de exaustão em que todas as pessoas procuram formas de lidar com a saúde mental.

Em 2020, houve um aumento nas pesquisas relacionadas a assuntos como meditação, terapia virtual, caminhada ou desintoxicação digital. O início de maio é dado com o início do Mental Health Awareness Month nos EUA e dois especialistas do Google falaram sobre o assunto, o Dr. David Feinberg, psiquiatra formado e chefe do Google Health, e Dra. Jessica DiVento, clínica licenciada psicóloga e conselheira-chefe de saúde mental do YouTube. 

publicidade

A dupla contou sobre o motivo de estarmos nos sentindo mal neste momento e também do que podemos fazer a respeito desta sensação. De acordo com Jessica, o nosso sistema de detecção de ameaças do corpo está funcionando em excesso, sendo assim, já sabemos o que está nos causando estresse e por isso reagimos: “As pessoas não percebem quanta energia mental isso requer, mesmo que você não esteja fazendo muito fisicamente, faz sentido se sentir cansado. “

Isso porque as pessoas possuem receios, como um grande medo que parece bobo e irreal, abrir a porta e um urso estar lá dentro, por exemplo. O sentimento de ansiedade é quando não há urso nenhum e você nem sequer sabe por que está se sentindo desse jeito. “Quando recebi minha primeira injeção da vacina, senti um pouco da ansiedade e do medo de ser liberado – foi quase uma experiência espiritual”, contou Feinberg.

Ele comentou como isso se encaixa em uma experiência de vida dramática, fazendo parte da nossa narrativa. Quando um vaso cai e se quebra, você cola-o novamente. Quando há gatilhos isso traz de volta as emoções desse trauma coletivo”, disse.

O cérebro humano sabe o que fazer para minimizar o estresse e a ansiedade: comer bem, fazer exercícios, dormir e assim por diante. Assim como também sabemos o que não ajuda. Sendo assim, parte de lidar com a ansiedade é pesquisar e agir sobre as coisas que você pode controlar. Feinberg relatou que adora “ver o Google conectar pessoas a informações acionáveis ​​por meio de coisas como autoavaliações de saúde mental, informações sobre locais de vacinação e exames e dados confiáveis ​​sobre coisas como sintomas e diretrizes para se manter seguro.” 

Portanto, o aumento nas pesquisas por conteúdo de saúde mental mostra que está ficando mais assertivo dizer que você não está bem. Isso porque quanto mais conversas, quanto mais compartilhamos conteúdo sobre saúde mental, menos estigma ou tabu esse assunto terá. No YouTube, o Google trabalha em colaboração com especialistas na área de saúde mental para garantir vídeos confiáveis. 

“Quando alguém pesquisa especificamente por recursos de ansiedade ou depressão, mostraremos informações sobre sintomas, recursos de tratamento e autoavaliações. E para pesquisas que possam indicar alguém em crise, temos o compromisso de conectá-lo a recursos de suporte em crise 24 horas por dia, 7 dias por semana”, enfatizou Jessica.

Ao serem questionados sobre o que se espera que as pessoas estejam buscando nos próximos seis meses, David e Jessica falaram de como acreditam que o futuro tende a ser mais otimista. Ele disse que as pessoas vão procurar sobre amor, enquanto ela opinou que a empatia será o foco.

Leia mais:

Fonte: Blog do Google.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!