Pesquisadores da Universidade de Califórnia, Universidade de Washington e do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano dos Estados Unidos disseram que, após mais de 30 anos de pesquisas, o DNA humano foi 100% sequenciado.

O anúncio ainda não está totalmente oficializado, pois, até o momento a pesquisa está disponível na plataforma bioRxiv, mas ainda não foi publicada em uma revista científica para ser revisada. Apenas após esse processo é que a descoberta pode ser anunciada de forma oficial.

publicidade

O Projeto Genoma Humano (PGH) começou a funcionar em 1990, com o objetivo de destrinchar o DNA. No entanto, com o tempo, diversas pesquisas se desenvolveram com base no estudo original. Agora, com as novas tecnologias, os cientistas garantem terem conseguido realizar o feito. Alguns pesquisadores envolvidos com o primeiro PGH ainda trabalham no projeto.

Genoma humano

O PGH original foi concluído em 2003. Na época, os pesquisadores revelaram que o genoma humano estava cerca de 92% sequenciado e faltavam algumas lacunas para terminar o processo. Outras pesquisas deram sequência ao estudo para tentar concluir o sequenciamento.

Leia mais:

Todos os organismos vivos têm genoma. É ele que contém as informações genéticas hereditárias daquele ser. Compreender o genoma, então, ajuda a estudar os seres a quem aqueles dados pertencem.

Em linguagem técnica, esse levantamento é conhecido como sequenciamento de genoma. Nos seres humanos, esse genoma é único para casa pessoa, no entanto, ele é 99,9% igual em todo mundo, a diferença que torna cada um diferente está no 0,1%.

Para se decifrar um genoma, é necessário analisar a fita de DNA, que possui mais de 3,2 bilhões de pares de bases, impossível de ser analisada por inteiro. Os pesquisadores então precisam estudar fragmento por fragmento, localizar os genes e descobrir a função de cada um.

Os 8% que faltavam em relação à pesquisa original estavam em uma parte da fita de DNA difícil de ser analisada com a tecnologia disponível na época. Hoje, com os novos métodos de estudo, a parte faltante conseguiu finalmente ser pesquisada.

A próxima etapa do projeto agora é recriar o DNA de alguns ancestrais humanos para criar um tipo de tabela de referência voltada justamente para o 0,1% que difere o genoma de cada um.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!