A marca chinesa Didi Chuxing deu início no processo de abertura de capital no que pode se tornar um dos maiores IPOs (oferta pública inicial, na sigla em inglês) de tecnologia de 2021, colocando grandes acionistas como Uber e SoftBank para uma vitória. Isso porque, no ano passado, a empresa registrou receita de US$ 21,6 bilhões mesmo com a pandemia, além de ter um último trimestre com lucro, com receita de US$ 6,4 bilhões.

Recentemente, Didi foi avaliado em US$ 62 bilhões, segundo informações da empresa de análise de mercado PitchBook. Ademais, a Bloomberg estima que a companhia pode alcançar uma avaliação de mercado de US$ 100 bilhões com o IPO.

publicidade

Antes da pandemia se instaurar na China, a receita da Didi cresceu 11% entre 2018 e 2019, se recuperando no primeiro trimestre, com crescimento de 107% no primeiro quarter na comparação com o mesmo período do ano anterior. Além disso, a parte da lucratividade da empresa no primeiro trimestre pode ser resultado de investimentos de US$ 1,9 bilhão relacionados a cisões e desinvestimentos.

Por isso a novidade tem grande potencial de tornar esta uma das maiores estreias da tecnologia em 2021, com o estimado retorno da demanda por empresas de viagens e carona devido a uma redução nos casos de Covid-19 globalmente, sem mencionar o lançamento de vacinas. 

Leia mais:

Apenas negócios

Diferente do Uber, a Didi está investindo muito em tornar realidade os robôs autônomos, com aprovação para testar veículos autônomos na capital Pequim.

Apesar de historicamente grandes rivais, a Didi comprou a divisão de negócios da Uber na China em uma transação complexa feita em 2016, e que envolveu as empresas adquirindo ações uma da outra. A marca informou que vendeu todas as suas ações no Uber em novembro e dezembro do 2020.

O Uber, no entanto, continua a deter 12,8% das ações da Didi. Enquanto isso, o Vision Fund da SoftBank detém 21,5%.

Mesmo que a receita da Didi tenha diminuído quase 10% entre os anos de 2019 e 2020 por conta da pandemia da Covid-19 ter atingido o mundo todo, isso não parece ser uma questão.

Vale lembrar que a Didi foi fundada em 2012, com 493 milhões de pilotos ativos anuais e 15 milhões de pilotos ativos anuais. A empresa foi nomeada para integrar a lista CNBC Disruptor 50, que ranqueia as 50 empresas mais disruptivas, quatro vezes.

Fonte: CNBC

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!