Pesquisadores da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) publicaram na Science Advances nesta sexta-feira (11) os resultados de um estudo realizado com o espermatozoide de camundongos expostos à radiação espacial a fim de entender se seria seguro astronautas terem filhos após viagens no espaço.

No experimento, o esperma de camundongo liofilizado permaneceu viável após passar quase seis anos no espaço. E, aparentemente, a exposição à radiação espacial não prejudica o DNA do espermatozoide ou a capacidade das células de produzir “filhotes saudáveis”.

publicidade
Cientistas enviaram o espermatozoide de camundongos ao espaço. Crédito: Shutterstock

Os resultados da pesquisa são benéficos para futuros viajantes do espaço, pois até então os cientistas acreditavam que astronautas, além de correr o risco de câncer e outras doenças devido a exposição à radiação, também podiam ter mutações genéticas em seu DNA que seriam transmitidas para gerações futuras.

Como replicar as condições espaciais na Terra é praticamente impossível, o biólogo Teruhiko Wakayama, da universidade de Yamanashi em Kōfu, no Japão, decidiu submeter o esperma de 12 ratos a um processo de liofilização – procedimento de desidratação onde o produto é congelado sob vácuo e pode durar até 30 anos, permitindo que eles fossem mantidos em temperatura ambiente na Estação Espacial Internacional.

Após retornarem à Terra, os espermatozoides dos camundongos foram reidratados e injetados em óvulos frescos que foram transferidos para camundongos fêmeas. Nasceram cerca de 240 filhotes saudáveis dos espermatozoides mantidos no espaço durante 3 anos, e cerca de 170 nasceram do esperma mantido na ISS por seis anos.

Leia também!

Ao serem comparados com filhotes de camundongos que ficaram na Terra, não foram apresentadas modificações genéticas.

Apesar de ser um resultado animador, o estudo alerta que as condições da ISS oferecem uma proteção parcial da radiação espacial pelo campo magnético da Terra, impossibilitando reconhecer os efeitos da exposição completa à radiação espacial.

Além disso, sabe-se que a radiação fora do planeta Terra estilhaça moléculas de água presentes no DNA, e o esperma enviado à Estação Espacial Internacional não possuía água devido o processo de liofilização.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!