Cientistas da Universidade de Bern, na Suíça, conseguiram identificar o princípio da homoquiralidade a bordo de um helicóptero, a uma velocidade de 70 quilômetros por hora (km/h) e dois quilômetros de altitude. A ideia é testar a capacidade humana de encontrar esse princípio em outros planetas, por meio da observação de suas órbitas e atmosferas.

Para entender o processo, vale a explicação: “quiralidade” é o nome dado a um objeto que não pode ser sobreposto à sua imagem espelhada, ou seja, um “quiral”. Na química, os estudos moleculares estabelecem esse princípio como um dos mais essenciais à vida humana.

publicidade

Leia também

Imagem mostra uma mulher no lado, com a parte inferior da foto exibindo seu reflexo em um espelho d'água, simbolizando o princípio da homoquiralidade
“Homoquiralidade” é um princípio pelo qual moléculas essenciais do organismo são construídas, e sua identificação pode trazer avanços na busca pela vida em outros planetas. Imagem: Zolotarevs/Shutterstock

Facilitando a compreensão: olhe para as suas mãos. Na maioria das pessoas, elas são cópias perfeitas uma da outra, porém, espelhadas, certo? Essa característica impede você de sobrepor uma mão à outra. Moléculas também têm esse formato: espelhadas e sem sobreposição.

Aminoácidos – os “tijolos” que constroem as proteínas – são majoritariamente canhotos (ou “sinistrais”, se você prefere ser técnico). Já os açúcares, que compõem o DNA e o RNA, são em sua maioria destros (ou “destrais”). Se você inverter qualquer um deles, toda a estrutura se desfaz. A isso, químicos deram o nome de “princípio de homoquiralidade”.

Ninguém sabe, ainda, o “porque” disso acontecer, mas o consenso é o de que é algo extremamente importante para nós. E investigar isso nas alturas pode, no futuro, permitir que a humanidade seja capaz de investigar a homoquiralidade em outros planetas. A mera condução de um experimento assim na Terra já ajuda a revelar informações importantes sobre a saúde de plantas, por exemplo.

“Quando a luz se reflete nas matérias biológicas, uma parte de suas ondas eletromagnéticas vai viajar em sentido horário ou antihorário”, disse o físico Lucas Patty, que participou do estudo. “Este fenômeno é chamado ‘polarização circular’ e é causado pela homoquiralidade de dita matéria. Espirais similares de luz não são produzidas por matérias não vivas”.

Tal pesquisa exige o uso de um instrumento chamado “espectropolarímetro”, que emprega vários sensores para separar a reação polarizada. A diferença aqui é a de que, nos últimos anos, a equipe liderada por Patty vem desenvolvendo um espectropolarímetro – que eles chamaram de “TreePol” – para detectar a polarização circular de vegetais a vários quilômetros de distância. 

Depois, eles adaptaram uma versão do TreePol e criaram o “FlyPol”, uma versão aprimorada, adaptada para leituras em voo, com sensores mais sensíveis e adicionando controles de temperatura. E bastou sobrevoar as regiões de Val-de-Travers e Le Locle, na Suíça, para ver como eles vieram bem a calhar:

“O principal avanço é o de que esses instrumentos foram utilizados em uma plataforma em pleno movimento, vibrando, e ainda conseguiram detectar uma assinatura biológica em questão de segundos”, disse o astrônomo Jonas Kühn, também da Universidade de Bern. Segundo ele, o FlyPol não apenas foi capaz de separar leituras de matérias biológicas de abióticas (pense “separar mato de asfalto”), mas também categorizar volumes dentro da própria biologia analisada: em pouco tempo, o instrumento sabia, por exemplo, o que era arbusto e o que era árvore e até marcou com precisão algas embaixo d’água.

Agora, o time de pesquisa está refinando o instrumento, com o objetivo de testá-lo na identificação da homoquiralidade em alturas e velocidades maiores, tipo 27.580 km/h e altitude de 400 km, uma medida que você provavelmente vai reconhecer como “órbita baixa da Terra”.

“O próximo passo, esperamos, é o de executar detecções similares da Estação Espacial Internacional [ISS], direcionando nosso instrumento à Terra”, disse Brice-Olivier Demory, astrofísico da Universidade de Bern. “Isso nos permitirá avaliar a capacidade de detecção de assinaturas biológicas de escala planetária. Este será um passo decisivo na busca pela vida além do nosso sistema solar”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!