Os bancos investiram R$ 25,7 bilhões em tecnologia no ano passado — alta de 8% em comparação com os aportes feitos no ano anterior (R$ 23,9 bilhões). A informação foi divulgada na última quinta-feira (24), com base no levantamento de tecnologia bancária 2021 (ano-base 2020) da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), durante o evento CIAB Febraban.

Com esse aumento, o setor bancário tornou-se o segundo maior investidor em tecnologia no Brasil (14%), atrás apenas dos governos (15%). A mesma situação é vista em âmbito global, o que indica que as instituições financeiras brasileiras têm acompanhado os aportes realizados no mundo todo.

publicidade
Gráfico dos setores que investiram em tecnologia no ano de 2020
Bancos só investiram menos do que os governos em tecnologia no ano passado. Foto: Febraban/Divulgação

Os aportes em softwares dominaram os investimentos feitos pelos bancos em TI, totalizando R$ 14,4 bilhões do valor total. O restante do montante contabilizou investimentos em hardware (R$ 8,6 bilhões) e em telecomunicações (R$ 2,7 bilhões).

IA e segurança cibernética

De acordo com os 21 bancos que participaram do levantamento da Febraban, os investimentos tiveram como prioridade a inteligência artificial (IA), segurança cibernética e o trabalho remoto, este último, amplamente difundido por conta da pandemia de coronavírus.

Não à toa, a IA foi a “queridinha” dos bancos: 93% dos participantes destacaram a tecnologia como prioridade, com destaques nas áreas de atendimento ao cliente, aplicações de biometria, operações de crédito, setor jurídico e automação robótica de processos (RPA).

“IA não é só para dar mais eficiência, mas ela mitiga o risco no back office. IA dá maturidade aos controles dos processos”, afirmou Sérgio Biagini, sócio líder da Deloitte para a indústria de Serviços Financeiros no Brasil.

Segmentos de tecnologia investidos pelos bancos
IA, RPA e internet das coisas foram algumas das prioridades de investimentos. Foto: Febraban/Divulgação

Leia mais:

A segurança cibernética, por sua vez, respondeu por 10% dos investimentos em TI no ano passado, totalizando um aporte de R$ 2,5 bilhões. O assunto, inclusive, torna-se cada vez mais importante à medida que os regimes home office e híbrido são adotados pelas instituição financeiras e com a chegada do Open Banking no país.

“Os investimentos são massivos em cibersegurança. Os canais digitais são seguros. Os golpes acontecem em cima de engenharia social: o meliante entra em contato com o cliente e o convence a passar as informações, por exemplo”, apontou Rodrigo Mulinari, gerente-geral de TI do Banco do Brasil e diretor setorial de TI da Febraban.

Digitalização bancária

O levantamento constatou ainda a consolidação dos canais digitais para as operações dos bancos: pela primeira vez na história, o mobile banking representou mais da metade do total das transações bancárias. Internet banking e ATMs completaram o top 3 dos meios utilizados para as transações.

Meios usados para as transações bancárias
Composição dos meios usados para transações bancárias no Brasil em 2020. Foto: Febraban/Divulgação

Também foi observado uma queda de 45% nos saques em agências bancárias e uma baixa de 18% nos saques em ATMs, o que comprova a substituição dos papéis físicos por cartões de crédito, de débito e carteiras digitais pelos brasileiros.

E toda essa digitalização das operações bancárias teve um forte aliado: o PIX. Até maio deste ano, 93,6 milhões de usuários estavam cadastrados na modalidade, de acordo com o Banco Central, e o meio de pagamento foi um grande impulsionador para os investimentos dos bancos em TI.

E o uso do PIX deve tornar-se ainda mais presente na vida dos brasileiros já que, em breve, o BC deve anunciar as novidades PIX Saque e PIX Troco para facilitar ainda mais as operações.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!