Uma pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) aponta que apenas 37% dos brasileiros afirmam conhecer “muito bem” ou “mais ou menos” a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), enquanto que 60% dizem só ter “ouvido falar” ou sequer conhecem a legislação.

O estudo aponta que a maior parte dos brasileiros já sofreu alguma tentativa de fraude de dados pessoais, ou então conhece alguém que tenha passado por esse tipo de problema.

publicidade

Além disso, grande parte (86%) dos brasileiros teme a violação de dados pessoais.

Símbolo da LGPD estampado no botão enter, de um teclado
Maior parte dos brasileiros não conhece as leis de proteção de dados. Crédito: Shutterstock

A pesquisa da Febraban foi realizada com 3 mil entrevistados maiores de 18 anos, de todas as regiões do Brasil, no período de 18 a 25 de junho de 2021.

Quando questionados sobre a Lei 14.155, que prevê punições mais severas para fraudes e golpes cometidos em meios eletrônicos, 36% dos entrevistados afirmam conhecer “bem” ou “mais ou menos”, enquanto que 61% dizem “só ter ouvido falar” ou “nunca ter tido acesso à legislação”.

Apesar do pouco conhecimento sobre a legislação brasileira para proteção de dados, 5% dos entrevistados apontam que as leis são “muito eficientes”, enquanto a maioria (50%) afirma ser “pouco eficientes”.

Outros 24% consideram a legislação apenas “eficiente” e 16% dizem que a lei não é eficiente.

A opinião da população sobre a eficácia das leis de proteção de dados vai ao encontro do que afirmam sobre o endurecimento dessa legislação. Considerando que a maioria dos entrevistados afirma que a lei não é eficiente, era esperado que grande parte também afirmasse que a legislação precisa ser mais rígida.

Assim, 76% esperam que a regulamentação passe a ser mais dura, enquanto que apenas 10% afirmam que as leis deveriam ser mais leves. Outros 6% disseram que a legislação deve continuar como está.

Leia também!

Segurança digital é um tema que a sociedade precisa encarar de frente e já está fazendo, pois diariamente esses crimes afetam pessoas e empresas, ganham espaço no noticiário econômico, político e policial envolvendo não somente o cidadão, mas também grandes corporações e instituições públicas e privadas”, disse Isaac Sidney, presidente da Febraban.

Uma parte surpreendente dos entrevistados (91%) acredita que as tentativas de violação de dados cresceram muito durante a pandemia da Covid-19.

Os entrevistados, ainda, relataram terem sido vítimas ou ter parentes que sofreram golpes online, como mensagens e ligações fraudulentas de dados pessoais ou bancários, pedidos de depósitos falsos, cobrança indevida em cartões de débito e crédito, invasão de e-mail e redes sociais e até a clonagem do WhatsApp.

Para ver detalhes e acessar a pesquisa completa, clique aqui.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!