Apenas um pouquinho maior do que a Lua. Esse é o tamanho da menor anã branca já encontrada no espaço. Com um raio aproximado de 2,1 mil km, o remanescente estelar foi descoberto por astrofísicos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), e o estudo foi publicado na última quarta-feira (30), na revista científica Nature.

Com um raio de cerca de 2,1 mil km, uma anã branca recém-descoberta (à esquerda nessa ilustração) é apenas um pouco maior que a Lua (à direita). Imagem Giuseppe Parisi

Seu tamanho é incrivelmente próximo ao raio de aproximadamente 1,7 mi km do nosso satélite natural. A maioria das anãs brancas está mais próxima do tamanho da Terra, que tem um raio de cerca de 6,3 mil km.

publicidade

Sua pequena circunferência indica que essa anã branca também é um dos objetos conhecidos mais massivos de seu tipo, com cerca de 1,3 vezes a massa do Sol. Isso porque as anãs brancas encolhem à medida que ganham massa.

“Essa não é a única característica muito surpreendente dessa anã branca”, disse a astrofísica Ilaria Caiazzo, do Instituo de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em entrevista coletiva online. “Ela também está girando rapidamente.”

Leia mais:

Segundo Caiazzo, a anã branca gira aproximadamente uma vez a cada sete minutos. Além disso, tem um campo magnético poderoso: mais de um bilhão de vezes a força do equivalente na Terra. 

Menor anã branca pode ter sido formada pela fusão de outras duas

Caiazzo e seus colegas descobriram o remanescente estelar incomum, apelidado de ZTF J1901 + 1458 e localizado a cerca de 130 anos-luz da Terra, usando o Zwicky Transient Facility no Palomar Observatory, na Califórnia, que procura por objetos no céu que mudam de brilho.

De acordo com a pesquisa, ela, provavelmente, se formou quando duas anãs brancas orbitaram uma a outra e se fundiram, originando uma única anã branca com uma massa extra grande e tamanho extra pequeno.

Convergência entre duas estrelas anãs brancas possivelmente formou a menor da espécie. Imagem: jsalasberry – Shutterstock

Essa convergência também teria girado a anã branca e dado a ela seu forte campo magnético. E um detalhe importante: essa anã branca está vivendo no limite. Se fosse mais maciça, não seria capaz de suportar seu próprio peso, o que a faria explodir. 

O estudo desses objetos pode ajudar os cientistas a entender os limites do que é possível para essas estrelas mortas, e compreender melhor a evolução estelar

Com informações da Science News

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!