Pensando nos profissionais remotos contratados por empresas estrangeiras no Brasil, a Deel lançou o Deel Card, um cartão de crédito pré-pago com bandeira Visa e saldo em dólar integrado à conta Deel. O país é o primeiro da América Latina onde a startup norte-americana, que desenvolve soluções para que empresas globais possam contratar profissionais de qualquer país de maneira descomplicada, resolveu implantar a novidade.

Com o Deel Card, empresas estrangeiras que utilizam a Deel para contratar e pagar os colaboradores permitirão que eles transfiram seus salários como crédito para o cartão. E o melhor nesse negócio é que todo o dinheiro transferido é convertido e mantido em dólar, ainda que o salário seja pago em euros, reais ou qualquer outra moeda. 

publicidade
Cristiano Soares, diretor da Deel no Brasil. Imagem: Deel – Divulgação

De acordo com Cristiano Soares, diretor da Deel no Brasil, onde a empresa está há três meses, a ideia é que o cartão seja uma opção adicional de saque para os profissionais que recebem o salário pela conta Deel. Atualmente, eles já podem resgatar o montante via transferência bancária, transferência para carteiras digitais, entre outros. 

“Os profissionais poderão transferir parte ou a totalidade desses fundos para o cartão de crédito Deel, e o dinheiro fica guardado em dólar, sem necessidade de conversão”, explica Soares. “E enquanto o dinheiro fica no cartão, ele pode usar o cartão para efetuar pagamentos em qualquer estabelecimento que aceite bandeira Visa, online ou físico, no Brasil e no exterior”.

Os pagamentos feitos com o Deel Card são convertidos imediatamente, de acordo com o valor do câmbio comercial do dia. O mesmo vale para transações feitas em moedas locais de outros países.

Leia mais:

Segundo Soares, isso representa uma maior valorização do dinheiro dos usuários do cartão. “Se eu tenho mil dólares no meu Deel card e saco todo o valor em um dia em que o dólar está valendo R$4,90, por exemplo, e na semana seguinte o dólar vai a R$5,20, eu perdi 30 centavos. Mas, com o cartão Deel eu posso efetuar pagamentos e a conversão é feita conforme o câmbio do dia”, afirma. 

Ele explica que a startup tem muitos usuários de outros países, em que a moeda está desvalorizada, que utilizam o cartão para as transações recorrentes e fazem apenas saques parciais, quando necessário.

Além do Brasil, o Deel card é oferecido também nos Estados Unidos e alguns países da Europa. O plano da empresa é ampliar a oferta do produto para toda a base de mais de 16.500 profissionais que hoje recebem pela Deel.

Deel acredita que o Brasil é um país estratégico para expansão

Hoje, a Deel atende mais de 2.500 empresas e viabiliza a contratação de profissionais de mais de 150 países. No primeiro trimestre de 2021, a empresa registrou um GMV superior a US$100 milhões. 

O crescimento acelerado chamou a atenção de investidores, que aportaram US$206 milhões em três rodadas nos últimos meses e elevou a valuation da startup para US$1,25 bilhão. 

Há três meses operando no Brasil, a empresa tem mirado em clientes enterprise, empresas com mais de mil funcionários, e já tem contratos com companhias como Nubank, iFood e Rocket.Chat. 

O Brasil é considerado um dos mercados mais relevantes para a Deel, informa Soares, que projeta que o país poderá representar 10% do faturamento da startup. 

A Deel conta com uma equipe de mais de 250 advogados, que organizam toda a legislação trabalhista de cada país em que está presente e cuidam de todo o processo de contratação referente a modelos de contrato, regimes de trabalho, remuneração, tributos e taxas locais, entre outros.

Conforme as normas legais de cada país, o colaborador pode ter acesso ao seu pagamento em moeda local e escolher a maneira que deseja receber: transferwise, transferência bancária, cartão de crédito, Paypal e até bitcoin estão entre as opções. 

Em relação ao preço dos planos contratados pelas empresas, pode variar conforme o volume de contratações, sendo que o custo para os contratantes começa a partir de US$ 49 (R$248,50 na cotação de hoje). 

Via: LabsNews

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!