Uma equipe do Instituto Max Planck de Estética Empírica, na Alemanha, investigou como o cérebro humano consegue “pintar” a beleza de uma paisagem. O estudo, publicado na revista de acesso livre Frontiers in Human Neuroscience, não só contribui para compreensão da atuação cerebral no senso estético, mas também indica que as interações visuais com imagens naturais impactam na sensação de bem-estar.

O Instituto Max Planck de Estética Empírica, localizado na cidade alemã de Frankfurt am Main, tem por objetivo usar métodos científicos para explicar as bases psicológicas, neuronais e socioculturais das percepções e julgamentos estéticos.

publicidade

Recentemente, uma equipe do instituto realizou um experimento com 24 voluntários. A dinâmica inicial do estudo consistiu em apresentar vídeos de paisagens artísticas para os participantes a fim de observar as reações do cérebro dessas pessoas. Usando imagens de ressonância magnética funcional (fMRI), os cientistas mediram a atividade cerebral dos participantes enquanto esses assistiam e classificavam os vídeos.

De acordo com a Medical Xpress, os pesquisadores esperavam que os sinais estéticos se limitassem aos sistemas de recompensa cerebral. Eles se surpreenderam ao encontrar esses sinais também em áreas visuais do cérebro. As ativações ocorreram bem ao lado de regiões implantadas no reconhecimento de características físicas em filmes, como a percepção de uma cena ou a presença do movimento.

Um dos autores do estudo, Edward Vessel, sugere que os sinais encontrados na região do cérebro relativa a visão podem refletir na percepção da beleza e do senso estético. 

“Quando vemos algo além de nossas expectativas, pedaços locais de tecido cerebral geram pequenos ‘átomos’ de afeto positivo. A combinação de muitos desses sinais no sistema visual contribui para criar uma experiência esteticamente atraente”, diz o cientista.

Estudo investigou as atuações do cérebro no senso estético e descobriu que existe uma relação entre o conceito beleza e a sensação de bem estar. Créditos: Akaplummer/Istock

As conclusões da pesquisa contribuem para uma compreensão mais ampla acerca da beleza e do senso estético humano, questões que são completamente particulares.

O estudo também estabeleceu que existe uma estreita relação entre o senso estético e a sensação de bem-estar nas pessoas.

Os resultados podem ter aplicações potenciais em uma variedade de campos científicos em que a ligação entre percepção e emoção é importante, como cuidados de saúde clínicos e inteligência artificial.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!