No período de junho e julho, os casos de Covid-19 causados pela variante Delta, inicialmente surgida na Índia, avançaram no estado do Rio de Janeiro. Neste momento, já representam 26,09% do total, sendo que na capital, a Delta representa 45% das amostras analisadas.

Os dados são de acordo com a Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (Svaps), da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a estimativa foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

publicidade

Das 368 amostras colhidas em todo o estado analisadas na última rodada, 66,58% eram da variante Gama, surgida no Brasil, e 26,09% da variante Delta. Na rodada de análises anterior, divulgada no dia 20 de julho e que sequenciou o genoma de 379 amostras coletadas em junho, os resultados apontaram para 78,36% da variante Gama e 16,62% da Delta.

“Dessa forma, é possível afirmar que a variante Delta está em circulação no estado do Rio de Janeiro, com tendência de aumento e conversão para se tornar a mais frequente, substituindo a variante Gama”, explicou a Secretaria de Saúde.

Além disso, a instituição acrescentou que a variante Delta foi identificada em 38 municípios nas nove regiões do estado. Entre as variantes de preocupação, determinadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a análise mostrou a presença de 0,8% da variante Alfa, que surgiu na Inglaterra.

Leia mais:

Variante Delta é ainda mais transmissível

Desde maio, a prefeitura de São Paulo tem intensificado estudos para monitorar o surgimento de novas variantes na cidade e há registros da variante Delta a todo momento. A preocupação se deve por conta que à medida que o vírus se multiplica, acaba mudando em uma velocidade maior ainda e com isso, gerando variantes.

“Cada variante o que chama atenção é o nível de transmissão”, explica Marcelo Simão, infectologista da Sociedade Brasileira de Infectologia. De acordo com ele, a transmissão da cepa original é de 2 a 3 pessoas, enquanto a variante Delta é de 6 a 7 pessoas.

Simão esclarece que a principal diferença de uma é na transmissão, sendo “mais perigosa porque transmite mais rápido”. Ele também opina que daqui um mês, a variante Delta pode ser a cepa predominanto.

Para saber mais, acesse a reportagem completa no Olhar Digital.

Fonte: Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!