O incêndio florestal siberiano que ocorre na região de Iacútia fez com que a sua fumaça atingisse o Pólo Norte “pela primeira vez nos registros históricos”, de acordo com comunicado e imagem de satélite divulgados pela Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos.

Segundo o material, o incêndio florestal siberiano já se estende por 4,8 mil quilômetros (km), um tamanho mais do que suficiente para classificá-lo como maior que todos os outros eventos do tipo atualmente queimando no mundo somados.

publicidade

Leia também

Imagem de satélite retirada pela Nasa mostra incêndio florestal siberiano, com fumaça tão densa que praticamente ofusca visão do chão
A fumaça na imagem registrada pelo satélite MODIS, da Nasa, mostra que os incêndios florestais siberianos são tão intensos que a fumaça já chegou ao Pólo Norte – algo inédito na história. Imagem: Nasa/MODIS/Divulgação

A Iacútia – oficialmente, República Russa de Sakha – tem 3,083,523 km² de extensão territorial, constituindo metade dos estados orientais que compõem a federação russa. Dotada de três fusos-horários, a Iacútia lida com frios extremos, mas com o avanço problemático do aquecimento global, a região conhecida por registrar, no passado, um frio de -72,1ºC (Celsius), agora vê o derretimento de gelo e incêndios florestais cada vez mais evidentes.

O problema reside na densidade florestal da região. Conhecido como “taiga” ou “floresta boreal”, o bioma é recheado de árvores de madeira forte o suficiente para resistirem ao frio. Quando elas queimam, tendem a demorar mais para se destruírem por completo, levando o fogo a se alastrar por setores maiores, por mais tempo. Todo verão registra ocorrências de incêndios do tipo, mas em 2021, as coisas estão sendo especialmente ruins.

Em 2020, o índice de incêndio florestal siberiano foi descrito pelo governo russo como “muito ruim”, produzindo o equivalente a 450 milhões de toneladas de dióxido de carbono, um gás que contribui severamente para o avanço do aquecimento global. Neste ano,, porém, a estimativa é de piora, haja vista que já estamos na marca de 505 milhões de toneladas e o verão siberiano ainda não acabou.

Segundo a imagem de satélite registrada pela Nasa, a fumaça era visível a 3,2 mil km de leste a oeste, e 4 mil km de norte a sul. A agência estatal de notícias Xinhua, da China, disse ter visto relatos de que a fumaça havia chegado a Mongólia e sua capital, Ulan Bator.

A principal dificuldade é que a região florestal, além de densa, é perigosa de ser acessada por humanos. Segundo o jornal Siberian Times, desde julho os moradores da região vêm respirando fumaça decorrente dos incêndios, mas apenas metade das florestas podem ser atendidas por bombeiros e pelo exército russo.

Autoridades ambientais, porém, também criticam o governo russo por supostamente deixar o incêndio florestal siberiano continuar de forma descontrolada, graças a uma lei que permite que forças de intervenção não sejam acionadas caso o custo de ação seja maior que o custo de danos causados pelos incêndios. Em outras palavras: se for caro demais consertar, deixe o problema que já é caro continuar.

De acordo com Alexei Yaroshenko, a imprensa russa faz vista grossa aos incêndios da região da Sibéria. Segundo o que o especialista em gestão florestal afirmou ao Washington Post, eles se limitam a “jogar panos quentes”, dizendo que a taiga está sempre queimando e minimizando a situação. “Durante anos, oficiais do governo e influenciadores opinativos vêm dizendo que os fogos são normais e que não há necessidade de ‘criar problema’ com isso. As pessoas meio que se acostumaram”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!