As SPACs (da sigla Special Purpose Acquisition Companies, em inglês), ou Companhias com Propósito Específico de Aquisição.

O processo é bastante conhecido no mercado financeiro – e bastante usado – porque ele é uma alternativa à conhecida e tradicional oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês).

publicidade

As SPACs, em resumo, são empresas que servem apenas para comprar outras companhias e abrir seu capital de maneira mais rápida.

Mãos segurando dados de madeira com as escritas SPACs e IPOs
Você sabe o que é um SPACs? Conheça a modalidade ‘queridinha’ do mercado financeiro. Imagem: Dmitry Demidovich/Shutterstock

Basicamente funciona assim: um patrocinador cria uma pessoa jurídica com o propósito de ser listada na bolsa. Diferentemente das empresas negociadas na bolsa, essas companhias não possuem serviços ou produtos. Essas “empresas patrocinadoras” são popularmente conhecidas como “shell company”, ou empresa fantasma.

É como se ela, de fato, não existisse. Ela apenas foi feita com o propósito de servir a um processo de “sociedade de aquisição de propósito específico” – no caso, esse propósito específico seria a abertura de capital.

Uma vez listada, ela busca negociar com investidores em potencial com intuito de realizar uma fusão. Assim, ao final do processo, a shell company desaparece e a companhia que iniciou o processo de IPO via SPAC, assume o papel principal e passa a poder negociar na bolsa de valores.

Leia também!

Esse processo, de fato, é mais rápido, mas também pode ser mais arriscado que um IPO comum. Mas não parece amendrontar os investidores: para se ter uma ideia, só neste ano, o número de ofertas feitas por meio desse procedimento nos EUA bateu a marca do realizado em 2020 inteiro – 296 versus 248, respectivamente.

A título de comparação, em 2019, o número de SPAC IPOs realizados foi 59, segundo dados da SPAC Analytics, especializada no monitoramento e análise desse tipo de procedimento no país.

Em 2021, o sucesso dos SPACs parece ter se consolidado, nos primeiros três meses mais de 30º companhias utilizaram a modalidade para abrir capital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!