A compreensão do papel da proteína na Alzheimer levou a novas maneiras de diagnosticá-la, assim como a criação de medicamentos em ensaios clínicos para o tratamento. Isso porque o dobramento incorreto e a agregação da proteína tau são características centrais da doença, relacionado ao declínio cognitivo em pacientes.

No entanto, os neurofibrilares são apenas uma peça da patologia da Alzheimer e os cientistas têm se esforçado para entender como a lesão de células nervosas dá origem aos emaranhados, que podem ser importantes para se desenvolver os melhores medicamentos e diagnósticos. 

publicidade

Os pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Boston (BUSM) descobriram um novo tipo de patologia molecular que se acumula nas células nervosas de pacientes com Alzheimer. “Descobrimos que, à medida que as células nervosas lesadas acumulam a proteína tau mal dobrada, elas colocam uma marca no RNA, que é o material genético que codifica as proteínas”, explicou o autor Benjamin Wolozin, professor de farmacologia e terapêutica experimental na BUSM.

Além disso, Wolozin e seu grupo mostraram que a inibição da via de marcação de RNA protege contra lesão de células nervosas (neurodegeneração) associada ao acúmulo de tau mal dobrada. Isso é um importante resultado que levanta a possibilidade de que o bloqueio da via de marcação pode fornecer uma nova abordagem para o tratamento da Alzheimer.

Os pesquisadores investigaram esses marcadores de RNA se acumulam com a Alzheimer. O grupo usou optogenética (genes para proteínas sensíveis à luz são introduzidos em tipos específicos de células cerebrais a fim de monitorar e controlar sua atividade precisamente usando sinais de luz) combinada com a análise de proteínas para descobrir que tau mal dobrada se liga especificamente ao RNA que tem essas marcas e faz isso com a ajuda de outra proteína de ligação.

Ademais, também mostrou que a ligação de tau mal dobrada é necessária para que todo o complexo exerça ações biológicas, a redução genética de qualquer uma das espécies bloqueia a neurodegeneração e também reduz a quantidade de RNA marcado que se acumula. “Este trabalho abre um novo caminho que os investigadores podem usar para explorar o processo da Alzheimer e, no processo, talvez desenvolver novas abordagens para tratar a doença”, acrescentou o estudo.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!