Ciência e Espaço

Cientistas dizem que erupções de supervulcões podem ser devastadoras

Por Matheus Barros, editado por André Lucena
05/09/21 12h31, atualizada em 05/09/21 12h58
Vulcão em erupção

Uma pesquisa realizada na Universidade de Curtin, na Austrália, busca entender como funcionam os supervulcões que permanecem ativos e muito perigosos, mesmo após as erupções de proporções gigantescas que aconteceram há milhares de anos.

A pesquisa analisou um supervulcão localizado na Indonésia para tentar compreender como funciona esse período de dormência e como é possível prever futuras erupções nos novos supervulcões ativos.

Cientistas afirmam que erupções de supervulcões podem ser devastadoras. Créditos: Luigi Morbidelli/Shutterstock

De acordo com o autor do estudo, Martin Danišík, as erupções de supervulcões estão entre os eventos mais catastróficos da história da Terra. O pesquisador afirma que os eventos são capazes de liberar enormes quantidades de magma instantaneamente, o que pode afetar gravemente o clima no planeta.

Uma erupção do gênero pode colocar a Terra sobre um severo período de “inverno vulcânico”, no qual as temperaturas de todo o planeta caem a graus extremamente baixos, afetando a produção de alimentos, o que pode resultar em fome generalizada.

Danišík ressalta que compreender os supervulcões é uma tarefa muito importante já que as erupções são inevitáveis e são uma ameaça a cada 17 mil anos. O pesquisador afirma que após um episódio do tipo, o planeta pode levar décadas ou até mesmo séculos para se recuperar.

Leia também!

O estudo da Universidade de Curtin ainda analisou o destino do magma da erupção de Toba, que aconteceu há 75 mil anos em Sumatra. O magma continuou escorrendo para fora da caldeira, ou depressão profunda causada pela erupção, de 5 a 13 mil anos após o evento. Além disso, a carapaça de magma solidificado remanescente foi empurrada para cima.

“As descobertas desafiaram o conhecimento existente e o estudo das erupções, o que normalmente envolve a procura de magma líquido sob um vulcão para avaliar o perigo futuro. Devemos agora considerar que as erupções podem ocorrer mesmo se nenhum magma líquido for encontrado sob um vulcão”, disse Martin Danišík.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

 

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags