Nesta quarta-feira (22), o asteroide 2021 NY1 fará sua máxima aproximação com a Terra. Embora seja classificado como “potencialmente perigoso”, não há risco de colisão com o nosso planeta.

Conhecido como um NEO (sigla em inglês para Objeto em órbita Próxima à da Terra), o asteroide passará a uma distância de 0,010 unidades astronômicas de nós. Lembrando que cada unidade astronômica corresponde a uma distância de cerca de 150 milhões de quilômetros. 

publicidade

Ou seja, o objeto chegará a uma distância de aproximadamente 1,5 milhão de quilômetros do nosso planeta, ou cerca de 4 vezes a distância média da Terra à Lua. Portanto, sem motivo para pânico.

As órbitas dos planetas são mostradas em azul claro. Os pontos em vermelho são os NEOs, os pontos verdes são os asteroides do cinturão principal, em azul escuro (à direita e à esquerda de Júpiter) são os troianos de Júpiter e em azul claro são os cometas. Imagem: Minor Planet Center

Então, por que ele é um asteroide “potencialmente periogoso”?

De fato, o asteroide 2021 NY1, além de pertencer à classe dos NEOs, também é classificado também como PHA: asteroide potencialmente perigoso. Pela definição da União Astronômica Internacional (IAU), devem ser classificados como PHA todos os objetos que se aproximem da Terra a menos que 7,5 milhões de Km e que tenham potencial para causar danos regionais significativos em caso de impacto, o que ocorre com asteroides com mais de 140 metros.

Leia mais:

O 2021 NY1, em particular, tem magnitude absoluta de 21.51. Já seu diâmetro é estimado entre 130 e 300 metros — o equivalente a até três campos de futebol. Nesta aproximação, o objeto estará a uma velocidade média de 9,35 km/s.

Segundo Filipe Monteiro, astrônomo do Observatório Nacional, a aproximação  do 2021 NY1 não oferece riscos para Terra. “A aproximação do NEO 2021 NY1 irá acontecer sem riscos para o nosso planeta, pois ele irá passar a uma distância suficientemente segura”.

Ainda de acordo com Monteiro, durante essa aproximação, o objeto será um alvo bastante interessante para os observatórios ópticos e de radar. “Isso permitirá a determinação das propriedades físicas desse NEO, assim como permitirá avaliar possíveis mudanças em sua órbita. Por ser um objeto potencialmente perigoso, o conhecimento das suas características físicas é muito importante para prever a sua evolução orbital, e assim avaliar os riscos de impacto com a Terra no futuro”.

Este será o encontro mais próximo do asteroide com a Terra neste século

O próximo encontro de 2021 NY1 com o nosso planeta ocorrerá em 2044, quando o objeto atingirá uma distância de 0.038 unidades astronômicas da Terra, ou seja, 5,7 milhões de quilômetros.

Sendo assim, a distância que o asteroide alcançará da Terra na semana que vem será a mais próxima deste século. Um encontro tão próximo como este de 2021 só irá acontecer em 2105, quando o 2021 NY1 atingirá 0.018 unidades astronômicas.

“Infelizmente, durante o momento da aproximação, o asteroide não será visível do Brasil, pois o evento ocorrerá durante o dia. Mas, a partir do dia 25, o objeto começa a ficar visível durante a madrugada no céu do Brasil, e, provavelmente, será observado por meio de telescópios dedicados ao segmento e caracterização de objetos em órbitas próximas da Terra”, destacou o astrônomo.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!