Um estudo recente descobriu três vírus em morcegos do Laos, na Ásia, muito semelhantes ao SARS-CoV-2, responsável pelo novo coronavírus. Segundo os pesquisadores, além da grande similaridade, foi observado que parte do código genético dos agentes sugere que o vírus da Covid-19 tem uma origem natural, o que refuta a suspeita de que a doença tenha sido criada em laboratório.

De acordo com informações da CNN, que divulgou a pesquisa, no entanto, apesar da descoberta poder desvendar o mistério de origem da doença que causou uma pandemia, isso também significa que existem outros vírus com potencial para infectar as pessoas.

publicidade
Imagem mostra um morcego de cabeça para baixo. Alterações físicas nesse e em outros animais foram identificadas em estudo sobre o aquecimento global
Estudo encontra vírus similares a Covid-19 e sugere origem da doença. Imagem: jekjob/Shutterstock

Métodos para a descoberta

A equipe de cientistas, formada pelo virologista do Instituto Pasteur, em Paris, Marc Eloit, e seus colegas na França e no Laos, analisou saliva, fezes e urina de 645 morcegos em cavernas no norte do país asiático.

Em três dos morcegos avaliados, mais especificamente a espécie ferradura (Rhinolophus), a semelhança com o vírus da Covid-19 foi de 95%, a qual eles chamaram de BANAL-52, BANAL-103 e BANAL-236. O índice de semelhança é um dos maiores encontrado até agora e preocupa especialistas, já que indica que os microrganismos têm o mesmo potencial para se ligar em células humanas.

“Quando o SARS-CoV-2 foi sequenciado pela primeira vez, o domínio de ligação ao receptor não se parecia com nada que tínhamos visto antes”, disse Edward Holmes, virologista da Universidade de Sydney, na Austrália, à Nature Magazine.

“Isso fez com que algumas pessoas especulassem que o vírus havia sido criado em um laboratório. Mas os vírus do Laos confirmam que essas partes do SARS-CoV-2 existem na natureza”, explicou o cientista. “Estou mais convencido do que nunca de que o SARS-CoV-2 tem uma origem natural”, acrescentou ainda Linfa Wang, virologista da Duke – NUS Medical School em Cingapura, para a mesma publicação.

Segundo a bióloga evolucionista na Wildlife Conservation Society Vietnam, em Hanói, à Nature Magazine, junto com os vírus também descobertos na Tailândia, Camboja e Yunnan, o estudo demonstrou que o sudeste da Ásia é um “hotspot de diversidade para vírus relacionados ao SARS-CoV-2”.

Para desenvolver e aprofundar ainda mais a pesquisa, a equipe passou a testar a patogenicidade dos vírus cultivando um deles, o BANAL-236, em células humanas em laboratório. No entanto, o grupo ressalta que mais estudo serão necessários para entender algumas diferenças e viabilidade do vírus em determinados locais, como entender como um progenitor do vírus pode ter viajado para Wuhan, na China central, onde os primeiros casos conhecidos de Covid-19 foram identificados.

O estudo foi publicado na Research Square e os resultados ainda serão revisados.

Leia mais!

Outros parentes do SARS-CoV-2 da Covid-19

No ano passado, um outro parente do coronavírus também foi descoberto. Chamado de RaTG13, ele foi encontrado em morcegos em Yunnan, na China e apresentou 96,1% de semelhança com o SARS-CoV-2. Os pesquisadores acreditam que os dois vírus provavelmente compartilharam um ancestral comum há pelo menos 40-70 anos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!