O espaço está cada vez mais acessível. A World View Enterprises revelou que os primeiros voos de turismo “espacial” estão planejados para o início de 2024.

No caso, não é exatamente uma viagem espacial, já que a altura máxima que o balão deve alcançar fica na casa dos 30 mil metros. O limite do espaço fica bem mais acima, a 100 mil metros… Mas isso já é suficiente para se observar a curvatura da Terra, em contraste com a escuridão do espaço.

publicidade

Uma das vantagens desse voo estratosférico é a duração da aventura, que deve levar de seis a oito horas. E segundo a empresa, os passageiros vão ter uma visão privilegiada de locais de beleza natural e também de significado cultural e histórico.

Segundo a empresa, a experiência de voo do Explorer vai ser luxuosa. A cápsula vai ter poltronas reclináveis, acesso de alta velocidade à Internet, câmeras voltadas para a Terra e telescópios de observação de estrelas, entre outras comodidades.

Outra vantagem é que os tripulantes não vão sofrer com o stress de um lançamento de foguete, que exige condições físicas e psicológicas diferenciadas.

E tem também a questão do preço: cada vaga na cápsula que comporta 8 passageiros deve custar 50 mil dólares, ou cerca de 273 mil reais. Não é exatamente uma pechincha, mas é bem mais barato do que embarcar em um voo da Blue Origin, por exemplo. Jeff Bezos deve cobrar algo entre 200 e 250 mil dólares por um passeio de poucos minutos…

Mas claro, os passageiros do balão não vão experimentar a sensação da gravidade zero, uma das vedetes do marketing espacial…

Mas a empresa já tem um cliente interessado no primeiro voo comercial tripulado. A organização sem fins lucrativos Space For Humanity comprou todos os assentos da missão de estreia…

Ah, o balão deve decolar de pontos diferentes do mundo. Um deles é a Amazônia brasileira…

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!