O Google dedicou o evento Made By Google deste ano quase que exclusivamente para o smartphone Pixel 6, além de seu irmão mais poderoso, o Pixel 6 Pro. O principal ponto de atração vem do fato de que, pela primeira vez, a família de smartphones do Google vem equipada com um processador próprio – o Google Tensor – que promete maior adaptabilidade aos gostos do usuário por meio dos avanços da empresa em machine learning.

Leia também

publicidade

Ambos os aparelhos contam com display OLED de 6,4 polegadas de tamanho, com 411 ppi, quadro 20:9, 90 Hz de taxa de atualização. Interessante a empresa não fazer distinção entre os dois modelos nesta parte, inserindo em ambos a proteção já conhecida Gorilla Glass (Victus), suporte à tecnologia HDR, profundidade de cores em 24 bits (16 milhões de cores) e taxa de contraste acima de 1.000.000:1.

De acordo com a divulgação feita pela empresa de Mountain View, os modelos vêm com armazenamento interno de 128 GB nas configurações de base – mas ambos são expansíveis: o aparelho padrão pode chegar a 256 GB, enquanto o Pro vai até 512 GB. E ao que tudo indica, esse espaço todo será bem ocupado, já que o Google prometeu “as melhores câmeras do mercado” para os entusiastas da fotografia.

Imagem mostra o preço do Google Pixel 6, em dólares
O Pixel 6 foi mostrado pelo Google durante evento virtual, e deve chegar até o final do mês de outubro nos EUA (Imagem: Google/Divulgação)

Segundo a página oficial dos aparelhos nos EUA, ambos os aparelhos contam com um sensor traseiro de 50 megapixels (MP), com abertura ƒ/1.85 e até 150% a mais de campo de visão para a captura de imagens. As diferenças residem nos sensores auxiliares. Enquanto o Pixel 6 traz um segundo sensor grande angular de 12 MP, o Pixel Pro conta com três lentes distintas: a mesma grande angular de seu irmão caçula, além de uma teleobjetiva de 48 MP, zoom óptico de quatro vezes, um recurso super zoom digital de 20x¹².

Ambos contam com estabilização óptica de imagem (OIS) e sensor de foco automático com detecção a laser. Na parte frontal, o Pixel 6 conta com uma câmera de selfie de 8 MP e abertura ƒ/2.0 aperture. Já o Pixel 6 Pro traz um sensor de 11,1 MP e abertura ƒ/2.2.

Um dos recursos interessantes a serem divulgados pelo Google é o Magic Eraser, que pode ser resumido a uma forma inteligente de apagar ruídos das imagens após capturadas. Basicamente, com alguns toques, você consegue remover elementos inteiros que possam “sobrar” no cenário – incluindo pessoas aleatórias que passem pelo quadro da câmera. Além disso, a função Long Exposure promete composições mais detalhadas, combinando elementos móveis e estáticos, “embaçando” o que for mais movimentado, mas priorizando o foco na figura central da imagem.

No que tange ao vídeo, ambos os aparelhos filmam em resolução 4K, de 30 a 60 quadros por segundo (fps). Mas essa mesma resolução só é repetida para a câmera frontal no Pixel 6 Pro – o modelo de base só vai até Full HD (1080p).

No que tange à IA, o Pixel 6 e Pixel 6 Pro contam com recursos bastante interessantes, como o Live Translate, que permite o uso do Google Tradutor para conversas e ações rotineiras em tempo real (por enquanto, apenas nos idiomas inglês, francês, alemão, italiano e japonês). Além disso, por ora apenas nos EUA e em inglês, o Android 12 consegue identificar para você os períodos mais movimentados de um serviço de atendimento telefônico, orientando você a insistir em uma ligação ou deixar para depois.

Imagem mostra o preço do Google Pixel 6 Pro, em dólares
O Pixel 6 Pro traz algumas melhorias em relação à sua versão de base, como câmeras mais detalhadas e um sensor a mais, mas visualmente falando, o Google preferiu manter os dois aparelhos bem similares (Imagem: Google/Divulgação)

O recurso de tradução funciona também na detecção de mensagens, trabalhando com SMS, WhatsApp e outros mensageiros conhecidos. Segundo o Google, toda essa capacidade é feita inteiramente dentro do dispositivo, então não há monitoramento ativo da empresa sobre os seus dados e nada é enviado ou recebido dela ou para ela. Inclusive, a privacidade e segurança do aparelho estão, de acordo com a empresa, mais reforçadas.

Finalmente, a bateria do Pixel 6 é de 4600 miliampere-hora (mAh), enquanto a do Pixel 6 Pro vai a 5003 mAh. Ambas trazem tecnologia de recarga rápida (30W) e recarga rápida sem fio (21W para o menor modelo; 23W para o maior). No que tange ao suporte, o Google prometeu cinco anos de atualizações garantidas do sistema operacional e de segurança para os dois aparelhos.

Ambos os smartphones já estão disponíveis para pré-venda no mercado americano a partir de hoje (19), a preços de US$ 599 (Pixel 6) e US$ 899 (Pixel 6 Pro)- ambos, preços bem competitivos, considerando as configurações dos dois aparelhos. A entrega está prevista para o dia 28 deste mês.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!