Um estudo conduzido por uma astrônoma da Universidade de Toronto, e publicado nesta semana na revista Science, sugere que todo o nosso sistema solar é cercado por um enorme túnel magnético.

De acordo com o site Futurism, a equipe diz que o modelo se concentra em duas estruturas principais no céu: o North Polar Spur e a Fan Region (algo como “Esporão Polar Norte” e “Região do Leque”).

publicidade
Imagem: Dominion Radio Astrophysical Observatory / Villa Elisa telescope / ESA / Planck Collaboration / Stellarium / J. West

Embora as estruturas estivessem aparentemente desconectadas desde suas descobertas na década de 1960, os pesquisadores liderados pela astrônoma Jennifer West agora indicam que elas são, na verdade, parte de um enorme campo magnético semelhante a um túnel em torno do sistema solar. 

“Se fôssemos capazes de ver ondas de rádio e olhássemos para o céu, veríamos essa estrutura em forma de túnel em quase todas as direções”, disse a astrônoma em comunicado à imprensa. 

Para chegar a essas conclusões, ela construiu seu próprio modelo de computador para simular a aparência do rádio-céu visto da Terra. Assim, a equipe foi capaz de concluir que as duas estruturas estão conectadas com filamentos magnéticos “semelhantes a cordas”.

Leia mais:

Modelagens mais complexas do sistema solar ajudarão a entender a função desse túnel

A pesquisadora estima que as estruturas estão a cerca de 350 anos-luz de nosso sistema solar e têm quase mil anos-luz de comprimento. “Essa é a distância equivalente a viajar entre Toronto e Vancouver (no Canadá) dois trilhões de vezes”, comparou.

Futuramente, a equipe pretende concluir modelagens ainda mais complexas – com a esperança de descobrir e entender o papel que o túnel magnético desempenha na galáxia.

“Os campos magnéticos não existem isoladamente. Todos eles devem se conectar uns aos outros”, afirma West. “Portanto, o próximo passo é entender melhor como esse campo magnético local se conecta tanto ao campo magnético galáctico de maior escala, quanto aos campos magnéticos de menor escala do nosso Sol e da Terra”.

Ela acrescentou que acha “simplesmente incrível imaginar que essas estruturas estão por toda parte, sempre que olhamos para o céu noturno”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!