O CEO da Tesla, Elon Musk, afirmou nesta terça-feira (2) que o acordo com a locadora de veículos Hertz Global, que anunciou na semana passada ter comprado 100 mil veículos elétricos da montadora, ainda não foi finalizado.

De acordo com informações da Bloomberg, o negócio renderia cerca de US$ 4,2 bilhões (em torno de R$ 23,9 bilhões) à Tesla, o que faria da montadora americana a primeira na história a atingir um valor de US$ 1 trilhão. No entanto, Musk negou, em uma publicação no Twitter, que o acordo tenha sido assinado e sugeriu que a compra de 100 mil unidades do Model 3 não teria impacto financeiro (positivo) na sua companhia.

publicidade

Leia mais:

“A Tesla tem muito mais demanda do que produção, portanto, só venderemos carros para a Hertz pela mesma margem do que para os consumidores”, disse o bilionário. “O acordo da Hertz tem efeito zero na nossa economia.”

Isso não significa, porém, que o acordo entre Tesla e Hertz esteja próximo de um desfecho negativo. Somente que os Model 3 para locação irão entrar no negócio pelo preço do varejo padrão, isto é, como se fosse uma venda simultânea para um grupo de 100 mil consumidores.

Hertz aposta em contrato bilionário para sair da bancarrota

Caso o acordo com a Tesla seja confirmado, 20% da frota da Hertz será movida a bateria até o final de 2022. A empresa americana, que quase faliu durante a pandemia de Covid-19 no ano passado, também irá instalar milhares de carregadores para veículos elétricos em sua rede.

“Veículos elétricos agora são mainstream e estamos começando a ver o aumento da demanda e do interesse globais”, disse o CEO interino da Hertz, Mark Fields. “A nova Hertz vai liderar o caminho como uma empresa de mobilidade, começando com a maior frota de aluguel de veículos elétricos na América do Norte”, acrescentou o executivo.

Via Autocar

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!