Uma tumba pré-hispânica de aproximadamente 2 mil anos foi encontrada em Lima, no Peru, por puro acaso. Trabalhadores da gestão municipal da capital peruana estavam providenciando serviços de encanamentos de gás em uma rua na região central da cidade, quando encontraram o local.

“Esse achado de hoje é de dois milênios atrás”, disse a arqueóloga Cecilia Camargo à AFP. “Até agora, encontramos seis cadáveres humanos já recuperados, incluindo crianças e adultos, além de algumas urnas que foram feitas especificamente para enterrá-los”.

publicidade

Leia também

Imagem mostra um cano de gás passando ao meio de uma tumba de 2 mil anos no Peru
Trabalhadores passavam uma nova tubulação de gás quando encontraram uma pequena tumba contendo corpos e urnas decorativas de 2 mil anos (Imagem: Cecilia Camargo/Calidda/Reprodução)

Estimativas feitas pela especialista posicionam a tumba de 2 mil anos do Peru como relacionada à cultura “Blanco sobre Rojo” (“Branco sobre Vermelho”), um estilo artístico que se instalou nas regiões de Chillon, Rimac e Lurin, os três rios que cruzam a capital do país.

“Até agora, recuperamos cerca de 40 urnas de diferentes formatos que podem ser relacionadas ao estilo Blanco sobre Rojo. Algumas delas são bastante distintas dessa época e desse estilo, caracterizado por adornos como alças duplas ou interligadas”, disse Camargo.

Por ser um lugar propenso à descoberta de artefatos arqueológicos sem muita dificuldade, o Peru tem uma norma governamental que rege que todas as empresas que prestam serviços de estruturas essenciais – encanamentos, linhas de gás, linhas férreas etc. – sejam obrigadas a manterem arqueólogos e especialistas históricos em seu quadro de funcionários ou fornecedores.

Foi o caso aqui: os funcionários trabalhavam para a empresa Calidda, que presta serviços de distribuição de gás por Lima. A Callida é contratada pelo governo local e Cecilia Camargo presta serviços de pesquisa e levantamento de itens antigos para a empresa.

Agora que os corpos e itens de interesse foram removidos, ainda há que seguir com análises mais aprofundadas do material recolhido, a fim de estabelecer sobre eles uma linha do tempo de maior precisão.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!