A AstraZeneca divulgou nesta quinta-feira (18) dados do estudo feito com pacientes que receberam seu coquetel de anticorpos monoclonais contra a Covid-19. Os resultados mostram que o medicamento manteve a proteção mesmo seis meses após ter sido administrado, evitando casos graves e mortes pela doença.

No geral, o coquetel conseguiu reduzir em 83% o risco dos pacientes desenvolverem Covid-19 sintomática. Em outra pesquisa, feita com pessoas nos primeiros três dias de sintomas da doença, a redução contra casos graves e mortes foi de 88%.

publicidade

O foco da pesquisa com o AZD7442 é em pessoas com o sistema imunológico comprometido e que por conta disso podem não responder de forma adequada à vacina contra a Covid-19. 75% dos participantes da pesquisa tinham alguma comorbidades.

5.917 pacientes foram divididos em dois grupos, um com o coquetel da AstraZeneca, outro com placebo. Não houve casos graves nem mortes no grupo de pacientes que receberam o coquetel. Duas pessoas morreram no outro grupo, além de cinco casos graves. A proteção se manteve ativa mesmo após seis meses de aplicação.

Coquetel da AstraZeneca

Os resultados indicam que o remédio funciona melhor quanto antes for administrado em pacientes com a doença. Em outubro, foi divulgado que, com até 5 dias de sintomas, a proteção era de cerca de 67%. Agora, em até 3 dias, a taxa chega a 88% contra casos graves.

Leia mais:

“Com esses resultados tremendos, o AZD7442 pode ser uma ferramenta importante no nosso arsenal para ajudar as pessoas que possam precisar de mais do que uma vacina para recuperar uma vida normal”, explicou o chefe da pesquisa, Myron Levin, professor da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, em outubro.

“Precisamos de outras abordagens (como o medicamento) para pessoas que não estão bem protegidas pelas vacinas contra a Covid-19”, completou ainda Mene Pangalos, vice-presidente executivo de produtos da AstraZeneca. A declaração deixa claro que o foco da farmacêutica são pacientes com o sistema imunológico fragilizado, como recém-transplantados e imunocomprometidos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!