A pandemia da Covid-19 também foi marcada pela dificuldade das redes sociais de conterem a onda de fake news propagada sobre a doença. No entanto, o vice-presidente de realidade aumentada do Facebook, Andrew Bosworth, disse que a plataforma fez o que podia para evitar desinformação e que a culpa é dos usuários.

“Indivíduos são aqueles que optam por acreditar ou não em algo. Eles são aqueles que optam por compartilhar ou não algo”, disse Bosworth em uma entrevista exibida no último domingo (12) na HBO.

publicidade

Fake news no Facebook

O executivo disse na entrevista que é preciso tomar cuidado para não confundir a remoção de fake news da rede social com excluir conteúdo simplesmente por ser contrário a opinião de alguns grupos. “Não me sinto confortável em dizer que eles não têm voz porque não gosto do que eles dizem”, disse ele.

Bosworth também disse que a empresa não ajudou na propagação de desinformação sobre vacina e que a escolha em acreditar nesse tipo de conteúdo foi dos próprios usuários. O executivo ainda questionou se cabe ao Facebook decidir o que pode ser considerado fake news e o que não pode.

“Nossa capacidade de saber o que é desinformação é ela mesma questionada e acho que razoavelmente sim, então fico muito desconfortável com a ideia de que possuímos justiça fundamental suficiente, mesmo em nossos centros de estudo mais científicos, para exercer esse tipo de poder sobre um cidadão , outro ser humano, e sobre o que eles querem dizer e quem eles querem ouvir ”, disse ele.

Desde o começo da pandemia da Covid-19, o Facebook enfrenta críticas por disseminar informações falsas sobre a doença. A empresa alega que trabalha junto com as autoridades e plataformas de verificação de dados para conter fake news.

Leia mais:

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!