Uma pesquisa publicada na Mayo Clinic Proceedings apontopu que pessoas com HIV possuem maior risco de desenvolver insuficiência cardíaca. O autor do estudo, Michael J. Silverberg, afirmou que os problemas cardíacos têm sido uma grande preocupação nos portadores de HIV. 

“A maior parte da pesquisa nesta área se concentrou no risco de derrame e ataques cardíacos. Com este estudo, agora vemos os impactos cardiovasculares para as pessoas com HIV se estenderem a doenças em estágio terminal, como insuficiência cardíaca”, completou o pesquisador.  

publicidade

Leia também!

Os pesquisadores acompanharam mais de 38 mil pessoas com HIV de 2000 a 2016 e, para cada uma dessas pessoas, escolheram outras 10 da mesma raça, idade e sexo, mas sem serem portadores do HIV.  

Durante o período de acompanhamento, a pesquisa identificou quais pessoas desenvolveram insuficiência cardíaca e foi possível constatar que os portadores do vírus tinham 68% mais probabilidade de desenvolver o problema cardiovascular.  

“Em termos de jovens, é possível que eles tivessem menos outros problemas de saúde complicadores, o que fez a insuficiência cardíaca se destacar”, apontou um dos pesquisadores. “Nas mulheres, os dados preliminares sugerem que o HIV pode ter um impacto maior na função cardíaca do que nos homens, devido em parte à regulação hormonal e aumento da fibrose miocárdica, mas isso precisa ser investigado mais profundamente”, concluiu.  

Coração. Imagem: Shutterstock
Pessoas com HIV possuem maior risco de desenvolver insuficiência cardíaca. Imagem: Shutterstock

A pesquisa ressalta ainda que foram levados em consideração fatores de risco para doenças cardíacas ou uso de medicamentos de prevenção.  

Os pesquisadores afirmam que o estudo é essencial para o cuidado básico de pacientes de HIV. “Os pacientes com HIV frequentemente recebem todos os seus cuidados em clínicas de atenção primária ao HIV movimentadas, e é possível que os sinais e sintomas de insuficiência cardíaca possam passar despercebidos, resultando em atrasos no tratamento”. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!