Ciência e Espaço

Cientistas identificam tipo de tempestade até então desconhecida

25/12/21 14h36

Tempestade tropical Ida no Mar do Caribe na quinta-feira (26). Imagem: NOAA-AP

Pesquisadores descobriram um novo tipo de condição climática que existe principalmente em uma parte específica do mundo: em piscinas compactas, de movimento lento e ricas em umidade. Os cientistas estão chamando o fenômeno de ‘lagos atmosféricos’.

Este tipo único de tempestade ocorre no oeste do Oceano Índico e segue em direção à África. Ao contrário da maioria das tempestades, que são criadas por um vórtice, os lagos são produzidos por concentrações de vapor de água que são densas o suficiente para produzir chuva.

Esses lagos atmosféricos são semelhantes aos rios atmosféricos. No entanto, o novo tipo de fenômeno meteorológico é menor, de movimento mais lento e se destaca do sistema meteorológico que o cria.

Os lagos atmosféricos se separam de outros sistemas. (Conjunto de dados de reanálise de Brian Mapes / NOAA ERA-Interim)

“Esses corpos de vapor às vezes se deslocam para o oeste ao longo da costa leste da África, trazendo chuva para aquela área semi-árida”, explica um resumo da pesquisa, apresentado no Encontro de Outono de 2021 da União Geofísica Americana.

Esses lagos existem em uma região equatorial onde a velocidade do vento é frequentemente muito baixa ou insignificante. Em uma análise de cinco anos de dados meteorológicos, a tempestade mais duradoura permaneceu no ar por 27 dias no total.

Ao longo dos cinco anos, foram descobertos 17 lagos atmosféricos com duração superior a seis dias, a 10 graus do Equador. Parece que esses lagos podem ocorrer também em outras regiões, onde às vezes se transformam em ciclones tropicais.

Uma equipe está sendo formada para realizar um estudo completo sobre o fenômeno. Uma das questões que os pesquisadores estarão analisando é por que os lagos atmosféricos se destacam do padrão. Uma hipótese é que é possivelmente devido aos padrões gerais do vento atmosférico, ou talvez devido aos ventos autopropelidos produzidos internamente.

“Os ventos que carregam essas coisas para a costa são tão tentadores, delicadamente próximos de zero [velocidade do vento], que tudo pode afetá-los”, disse um dos pesquisadores, o cientista atmosférico Brian Mapes, da Universidade de Miami.

Leia mais:

O ângulo da mudança climática é importante, porque se o aumento das temperaturas de alguma forma afetar a formação e o movimento dos lagos atmosféricos, isso poderia impactar as chuvas que atingem a costa leste da África, onde são extremamente necessárias.

De acordo com a pesquisa, se toda a água em um ano de lagos atmosféricos fosse liquefeita de uma vez, isso criaria uma poça com apenas alguns centímetros de profundidade, mas com um quilômetro de largura. Isso representa uma quantidade significativa de precipitação.

A próxima etapa é coletar mais dados, incluindo leituras mais localizadas e detalhadas. É uma parte do mundo onde a chuva e o vapor d’água tendem a ser estudados mês a mês, e não dia a dia, de acordo com Mapes, o que pode ser o motivo pelo qual esses lagos foram perdidos até agora.

“É um lugar que é seco em média, então quando esses [lagos atmosféricos] acontecem, eles são certamente muito importantes”, disse Mapes.

“Estou ansioso para aprender mais conhecimento local sobre eles, nesta área com uma história náutica venerável e fascinante, onde marinheiros observadores cunharam a palavra monção para padrões de vento e certamente notaram essas tempestades ocasionais também”, completou.

A pesquisa foi apresentada no 2021 Fall Meeting da American Geophysical Union.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags