Em Israel, a polícia poderá fazer uso de drones autônomos que voarão para locais onde houver ocorrência de tiros de armas de fogo. Para realizarem essa tarefa, os veículos aéreos não tripulados (UAVs) estarão dotados de um sistema de detecção de disparos.

A Airobotics, uma fabricante israelense de UAVs e sistemas de dados aéreos, está se unindo à norte-americana ShotSpotter para vender e implantar essa solução no país. A ShotSpotter desenvolve há 25 anos um produto que usa sensores acústicos para detectar tiros e alertar a polícia, atuando em mais de 120 cidades nos Estados Unidos, África do Sul e Caribe.

publicidade

Leia mais:

Em um comunicado, a empresa americana afirma que o acordo com a Airobotics tem como base a questão das armas de fogo ilegais e, em particular, dos tiroteios que ocorrem em Israel. “Entre 2017 e 2020, aproximadamente 5.200 casos de tiroteio foram abertos, com apenas 575 acusações arquivadas. Dois terços dos casos não apresentaram acusações porque o atirador era desconhecido”.

Sensores acústicos e imagens em tempo real

Os disparos serão localizados pela rede de sensores acústicos da ShotSpotter, com coordenadas precisas comunicadas em tempo real aos UAVs da Airobotics. Os drones voarão imediatamente para os locais, fornecendo ao vivo imagens de vídeo e fotos da cena do possível crime às autoridades.

A Airobotics desenvolveu um sistema UAV autônomo capaz de realizar missões 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem intervenção humana. Enquanto isso, a tecnologia da ShotSpotter é capaz de analisar sons altos e impulsivos detectados por seus sensores acústicos.

Essa tecnologia se baseia em uma combinação de inteligência artificial e análise humana para localizar os sons e confirmar se as ocorrências são ou não tiros. Todo o processo, desde o acionamento do gatilho até o alerta publicado, ocorre em menos de 60 segundos.

O conceito tem seus críticos, que questionam se colocar essa tecnologia em um drone resolverá problemas com respostas e números de prisões condizentes com o ideal. Outro ponto questionável no uso de drones autônomos para ações em áreas civis está em relação à tecnologia poder ser usada pela polícia em Israel – um país com muita controvérsia por conta de abusos aos Direitos Humanos.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal.