Quem esteve ligado nas notícias do Olhar Digital ao longo de 2021 ficou por dentro de uma nova tendência que surgiu no mercado: o metaverso e a venda de terrenos virtuais. Pensando nisso, vamos tratar de como o processo funciona e o que são esses lotes que ficam localizados em mundos digitais.

De início, segue um breve resumo do que é o metaverso:

publicidade

O termo, que influenciou até na mudança da nomenclatura do Facebook, indica uma ponte entre a realidade com mundos interativos baseados em realidade virtual. De olho nessa novidade, empresas do ramo dos games já apostam na ideia e possuem, como veremos a seguir, as suas próprias versões do metaverso.

Pessoas no metaverso
Para acessar o metaverso é preciso utilizar dispositivos específicos, como os óculos compatíveis com realidade virtual e aumentada. Imagem: Thinkhubstudio/Shutterstock

Nesse universo de possibilidades, um novo nicho de mercado acabou surgindo, a possibilidade de comprar pequenos (ou grandes) pedaços de terra para construir imóveis e até lojas, que hoje já promovem itens de marcas famosas.

Afinal, o que são esses terrenos vendidos no metaverso?

Esses terrenos são porções de terra que ficam em mundos como o Decentraland e o The Sanbox, talvez os mais populares do momento. Bem como no mundo real, os pedações são divididos em lotes e podem valorizar com o passar do tempo.

Os interessados podem comprar seu próprio ambiente virtual por meio das criptomoedas. Cada terreno, por sua vez, é negociado de forma similar a um NFT (token não fungível), reforçando a sua autenticidade e exclusividade.

Quais são os principais mundos virtuais?

Por ora, como se trata de um conceito que ainda está ganhando espaço, temos dois nomes principais no metaverso: a Decentraland e o The Sandbox.

O primeiro, lançado ainda em 2015, foi desenvolvido na blockchain ethereum, a segunda criptomoeda mais valiosa do mercado. Os criadores da ideia colocaram à disposição nada menos que 90 mil terrenos. Parece muito, mas todos já foram adquiridos por meio do token oficial da Decentraland, a MANA.

Captura de tela do jogo de criptomoedas Decentraland
Exemplo de imóvel comercial construído na Decentraland. Imagem: Ira Lichi/Shutterstock

Já o The Sandbox, que também oferece a possibilidade de abrir sedes digitais de empresas, construir casas e até promover eventos e shows, é ainda mais antigo. A iniciativa surgiu em 2012 e em 2018 ingressou no mercado de criptoativos.

Assim como na Decentraland, o metaverso The Sandbox possui o seu próprio token oficial, o SAND, também na blockchain ethereum. Outra diferença está nos números de lotes disponíveis, mais de 166 mil. Por conta da maior disponibilidade, alguns ainda estão disponíveis.

Onde são vendidos os terrenos do metaverso?

Ficou interessado na ideia? Pois bem, saiba que para comprar um espaço único no metaverso basta acessar as vitrines virtuais que ambas as plataformas (Decentraland e The Sandbox) disponibilizam.

Outra solução é recorrer aos marketplaces que atuam no mercado de criptoativos. Um deles é a OpenSea, muito conhecida entre os entusiastas de NFTs

Quanto custa?

Até o fim de dezembro de 2021, o lote mais em conta na Decentraland foi vendido por cerca de US$ 13,5 mil, mais de R$ 76 mil na cotação atual. Já na OpenSea, o terreno virtual mais barato disponível é vendido por US$ 13,4 mil. O The Sandbox acompanha a mesma faixa de valor. Em seu markeplace próprio, um pedaço de terra parte de US$ 12 mil.

Assim como as criptomoedas, esses valores costumam flutuar de acordo com o que ocorre no mercado. Se uma plataforma atrai mais usuários e tem poucos terrenos, por exemplo, os lotes tendem a subir de preço. 

Outra similaridade com o mercado imobiliário real é: o tamanho e a localidade de um terreno também importa. Quanto maior, mais caro será. Imóveis em regiões nobres também costumam ser mais valorizados até no metaverso. 

Outras formas de monetização exploradas por quem já possui lotes virtuais são: aluguel para diferentes fins, revenda e até divulgação de anúncios.

Maiores vendas de lotes no metaverso até aqui

Já deu para perceber que o mercado do metaverso está bem movimentado. Abaixo, listamos três dos terrenos virtuais mais caros vendidos no ano passado.

  • O Republic Realm, um fundo de investimentos especializado em imóveis digitais, comprou em novembro um terreno no The Sandbox pela bagatela de US$ 4,3 milhões, a maior venda registrada pela plataforma até agora, segundo o WSJ.
  • No mesmo mês, um terreno no Axie Infinity, outro jogo que possui o seu próprio mundo virtual, foi vendido por US$ 2,5 milhões. A maior venda registrada até aqui, segundo a empresa responsável pelo game. 
  • Por fim, a Metaverse Group (não confundir com a Meta) comprou um terreno na Decentraland por US$ 2,4 milhões.

Como contexto, juntas, apenas a Decentraland e o The Sandbox movimentaram US$ 390 milhões em 2021, segundo o portal NonFungible.com, mais de R$ 2,2 bilhões em conversão direta.

Leia mais:

Como comprar terrenos no metaverso?

Criptomoeda Mana
MANA é o token oficial do metaverso Decentraland. Imagem: moxumbic/Shutterstock

Primeiro é preciso ter uma carteira e uma reserva em criptomoedas para conseguir comprar o seu espaço no metaverso. Um exemplo de wallet é a MetaMask, no entanto, existem diversas opções no mercado.

No caso específico da MetaMask, basta baixar o app da carteira no computador ou celular e comprar ethereum e os tokens nativo das plataformas, no caso o SAND e/ou MANA. São eles que vão permitir comprar terras e demais itens no metaverso. O ethereum, por sua vez, será necessário para pagar as taxas de transação cobradas por cada negociação na rede da criptomoeda.

Caso ainda não tenha criptomoedas, tenha em mente que será necessário recorrer a uma corretora especializada, como a Binance e o Mercado Bitcoin, por exemplo.

Se chegou até aqui, é hora de se cadastrar para conseguir acessar o metaverso escolhido. O processo, no geral, envolve apenas indicar um endereço de e-mail válido, criar uma senha e atrelar a sua carteira de criptomoedas. Em seguida, por meio do marketplace da plataforma é possível escolher um terreno virtual que caiba no seu bolso.

Após finalizar uma compra, o terreno é enviado e armazenado na própria carteira de criptomoedas.

Vale reforçar que assim que são colocados à venda, os lotes costumam esgotar em questão de segundos. Ainda assim, como dito antes, quem não consegue comprar um de imediato pode encontrar opções vendidas no mercado de NFTs.

Vantagens e riscos de apostar na ideia

Como todo investimento, investir dinheiro no metaverso tem suas vantagens e desvantagens. O principal ponto positivo é a valorização dos terrenos. Se uma plataforma ganhar força entre os entusiastas, os preços dos seus terrenos certamente vão subir.

Considerando que a quantidade de lotes tanto da Decentraland quanto do The Sandbox também é fixa, outra vantagem é que investidor também tem certeza de que está colocando dinheiro em um pedaço de terra exclusivo.

Entretanto, apostar no metaverso sem conhecimento é arriscado. Uma plataforma onde o seu terreno virtual está localizado pode simplesmente não despertar o interesse do público com o passar do tempo, fazendo com que os preços desabem.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!