Um tesouro antigo foi descoberto pelo mais improvável dos “arqueólogos”: um texugo acabou cavando cerca de 200 artefatos — especificamente, moedas — que remontam ao antigo Império Romano, em uma caverna na Espanha. Segundo os especialistas, é provável que o animal estivesse procurando por comida.

Descrevendo o caso como “uma descoberta excepcional”, os cientistas informam que o texugo encontrou os 200 artefatos na região de Astúrias — especificamente, dentro da Caverna de La Cuesta. Segundo registros históricos, a área tinha extensa atividade romana em meados de 25 a.C., com diversos assentamentos especializados em trabalhos com ouro e obras de gerenciamento hídrico.

publicidade

Leia também

Exemplo de moeda do antigo Império Romano: feitas em vários metais ao longo de toda a história, elas sempre exibiam o rosto do imperador vigente no ato de sua criação. Um texugo escavou 200 artefatos do tipo na Espanha
Exemplo de moeda do antigo Império Romano: feitas em vários metais ao longo de toda a história, elas sempre exibiam o rosto do imperador vigente no ato de sua criação. Um texugo escavou 200 artefatos do tipo na Espanha (Imagem: Wikimedia Commons/Reprodução)

Os especialistas, que escreveram um paper sobre a descoberta no Journal of Prehistory and Archaeology em nome da Universidade Autônoma de Madrid, disseram que a maior parte das moedas vêm no norte e leste do Mediterrâneo, carregadas desde a Antióquia, Constantinopla e Tessalônica, passando também por Roma, Arles e Lyon. Pelo menos uma das moedas veio do sul de Londres.

“A quantidade de moedas recuperadas, bem como o interesse arqueológico na transição do início do período medieval, faz com que o tesouro desta caverna seja algo fora do comum”, eles disseram no texto.

Segundo eles, o texugo deve ter encontrado os artefatos em janeiro de 2021, quando uma nevasca assolou a região espanhola e soterrou sementes e frutas. O animal provavelmente encontrou um ponto mais arenoso, pelo qual poderia entrar na caverna. Infelizmente (para ele), tudo o que encontrou foram esses “estranhos discos de metal impossíveis de comer”.

Pouco tempo depois, uma pessoa da região, que explorava a caverna, encontrou o tesouro.

Os arqueólogos afirmam que, provavelmente, as moedas haviam sido guardadas ali em um momento de instabilidade: no século V, a região das Astúrias enfrentou repetidas invasões dos Suevos, um povo germânico originado da área entre os rios Elba e Oder, na atual Alemanha. Eventualmente, os Suevos estabeleceriam comunidades próprias na região, até serem expulsos pelos Visigodos em 585 d.C.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!