Nesta quinta-feira (10), o Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de São Paulo (Deic), anunciou que prendeu um auxiliar administrativo por suspeita de fraudes bancárias. O suspeito de 20 anos, cuja identidade não foi revelada, é apontado como um dos operadores do esquema que desviou R$ 200 mil do jogador Neymar Jr., atacante do clube francês Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira.

Polícia prende suspeito que desviou R$ 200 mil de Neymar
Suspeito desviou o dinheiro da conta de Neymar por meio de diversas transações de valores mais baixos. Imagem: Alizada Studios/Shutterstock

Segundo a nota divulgada pela polícia, a detenção foi realizada na zona leste de São Paulo nesta quarta-feira (9) por policiais da 5ª Delegacia Patrimônio, divisão que apura justamente casos de roubo a bancos. 

publicidade

A investigação, que já durava dois meses e também apura outros crimes ligados ao suspeito, descobriu que o indivíduo em questão prestava serviços terceirizado para uma instituição financeira. Ele teria se aproveitado do acesso aos dados pessoais dos clientes para efetuar várias transferências.

Por ora, o nome do banco envolvido no caso não foi divulgado. Segundo as autoridades, também será investigada se houve a participação de outros indivíduos nos golpes.

Leia mais:

Banco devolveu o dinheiro do jogador

Em entrevista a Rede Bandeirantes, o delegado Fábio Pinheiro Lopes declarou que o banco devolveu o valor desviado da conta do jogador após o golpe. “O caso do Neymar tem uma peculiaridade, porque quem fez o desvio foi um funcionário de uma empresa terceirizada do banco”, disse.

“Eles tinham acesso a senhas que podiam fazer algumas movimentações bancárias. O que esse rapaz que foi preso fez? Ele pegou a senha do seu companheiro de sala, pra não usar a dele próprio, e começou a fazer pequenos furtos de pessoas famosas”, acrescentou o delegado.

A conta, segundo o delegado, era movimentado pelo pai de Neymar. Quando notou o golpe, o banco foi procurado e ressarciu o valor antes de acionar as autoridades.

Via: Agência Brasil, Uol

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!