Um ninho com 20 ovos de dinossauro foi descoberto em Ponte Alta, bairro rural de Uberaba (MG), a cerca de 30 km do centro da cidade. De acordo com a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), até então, só haviam sido encontrados alguns ovos isolados, desde o início das pesquisas paleontológicas. 

Isso faz deste o primeiro sítio de nidificação de dinossauros do Brasil. A descoberta surpreendente foi relatada em um artigo científico publicado na revista Scientific Reports.

publicidade
Ovos de dinossauros descobertos em Uberaba (MG). Imagem: Divulgação/UFTM

De acordo com o paleontólogo e professor do Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação da UFTM (ICENE/UFTM), Thiago da Silva Marinho, com base nas características das cascas e das associações de ovos, de aproximadamente 12 cm de diâmetro, foi feita a comparação com fósseis de outros locais do mundo, principalmente da Argentina. 

Dessa forma, foi possível identificar que os dinossauros que botaram esses ovos pertencem ao grupo dos titanossauros. “Os titanossauros foram os maiores animais terrestres de todos os tempos. Eram quadrúpedes, se alimentavam de plantas e tinham cabeça pequena e um longo pescoço”, afirmou Marinho, em entrevista ao Olhar Digital.

Tomografia computadorizada dos ovos fossilizados encontrados. Imagem: Divulgação/UFTM

Ele conta que o primeiro fóssil descoberto na cidade, foi um ovo de dinossauro encontrado em 1945 e publicado em 1951. “Por incrível que pareça, esse ovo esférico, estava sendo usado em um jogo de bocha”, revelou o pesquisador.

Leia mais:

Esse primeiro achado alavancou as pesquisas paleontológicas no município, tornando-o uma referência internacional no estudo de vertebrados fósseis do Período Cretáceo, o último da Era Mesozoica. Depois de 77 anos de pesquisas, desde esse primeiro achado, centenas de fósseis foram encontrados, o que permitiu um vislumbre da vida e dos ambientes do passado da região.

No entanto, até então não havia a comprovação de um sítio de nidificação, ou seja, um lugar onde os dinossauros pudessem fazer seus ninhos para depósito de ovos. A pesquisa para comprovação de que o local onde a grande concentração de ovos foi encontrada se trata de um ninho foi iniciada em 2018, quando os ovos chegaram à UFTM.

O técnico em paleontologia João Ismael da Silva, que encontrou a ninhada de ovos. Imagem: Divulgação/UFTM

“Os 20 ovos encontrados pelo técnico em paleontologia João Ismael da Silva estão bem preservados e alguns estão completos e em conjunto com mais ovos, indicando a presença de ninho. O achado ocorreu entre as décadas de 1990 e 2000, e a pesquisa começou em 2018”, disse Marinho, explicando que  os fósseis têm entre 72 e 66 milhões de anos, de acordo com a idade estimada para as rochas onde foram encontrados. “Essa estimativa é feita pelos métodos de bioestratigrafia e cronoestratigrafia, que levam em consideração a ocorrência de fósseis que indicam essa idade e a relação de sobreposição de rochas”.

Segundo Marinho, os fósseis fazem parte do acervo do Centro de Pesquisas Paleontológicas “Llewellyn Ivor Price”, laboratório de pesquisas que compõe o Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. “Alguns já podem ser vistos em exposição no Museu dos Dinossauros da UFTM, no bairro rural de Peirópolis, em Uberaba”.

Junto com Marinho, também está diretamente envolvido nas pesquisas desse achado o geólogo da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro, além de representantes do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica argentino (CONICET), da Fundação Cultural da Prefeitura Municipal de Uberaba, do Instituto de Biologia da Conservação e Paleobiologia (IBICOPA), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Universidade de São Paulo (USP), das Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU), da Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias (FUNDAGRI), da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e da Escola Estadual Presidente João Pinheiro. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!