Segundo os cientistas, há um novo tipo de célula escondida dentro das ramificações dos pulmões humanos. O estudo foi publicado na revista Nature com a demonstração que as células recém-descobertas desempenham um papel vital para manter o sistema respiratório funcionando, podendo ser importantes para novos tratamentos para reverter os efeitos de doenças relacionadas ao tabagismo.

As células são conhecidas como células secretoras das vias aéreas respiratórias (RAS), encontradas nos bronquíolo, pequenas passagens ramificadas dos pulmões. De acordo com a pesquisa, as células RAS são semelhantes às células-tronco, capazes de reparar algumas células alveolares danificadas.

Após estudos com pulmões de camundongos usados como modelos para o sistema respiratório humano, a equiope descobriu a existência das células RAS. E para entender melhor as diferenças em nível celular, foi coletado amostras de tecido pulmonar de doadores humanos saudáveis ​​para analisar os genes dentro de células individuais.

Leia também!

publicidade
celula corpo humano (Foto: Reproduçãp/University of Pennsylvania)
Cientistas descobriram um novo tipo de célula escondida dentro dos pulmões
(Imagem: Reproduçãp/University of Pennsylvania)

“Já se sabe há algum tempo que as vias aéreas do pulmão humano são diferentes das dos camundongos”, explicou o autor sênior da pesquisa Edward Morrisey, professor da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia. Ele complementou que “as tecnologias emergentes só nos permitiram recentemente amostrar e identificar tipos de células únicos.”

Além disso, a equipe também encontrou células RAS em furões, já que os sistemas respiratórios são mais semelhantes aos humanos do que os dos camundongos. Os pesquisadores suspeitaram que a maioria dos mamíferos de tamanho igual ou maior aos furões tenham células RAS em seus pulmões.

A importância da descoberta é porque as células RAS têm duas funções principais nos pulmões: elas secretam moléculas que mantêm o revestimento fluido ao longo dos bronquíolos e podem atuar como células progenitoras para as alveolares tipo 2 (AT2), podendo desempenhar um papel fundamental no combate a doenças relacionadas ao tabagismo, como a doença pulmonar que obstrui as vias aéreas (DPOC).

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!