Um dos meteoritos mais famosos da nossa história, o NWA 7034 (vulgo “Beleza Negra”) foi originalmente descoberto em 2011, no Deserto do Saara, e é comumente referido como a rocha mais antiga de Marte que nós temos em nossa posse.

E em 2022, depois de muita pesquisa, conseguimos determinar o exato ponto de origem da “Beleza Negra”, de onde ele saiu no planeta vermelho.

publicidade

Leia também

A história por trás de um dos meteoritos mais famosos que já descobrimos é tão empolgante quanto qualquer outra: há bilhões de anos, um asteroide de proporções notáveis se chocou contra a superfície de Marte, fazendo com que pedaços “grandinhos” se desprendessem e fossem lançados ao espaço. Eventualmente, um destes pedaços caiu aqui.

publicidade

Graças a um estudo conduzido pela Universidade Curtin, na Austrália, nós conseguimos determinar o ponto de impacto do asteroide que resultou na liberação dos destroços ao espaço. A região foi oficialmente batizada “Cratera Karratha”, em homenagem a um terreno australiano conhecido por ter muitas rochas antigas – algumas das mais velhas da Terra.

O NWA 7034 - vulgo "Beleza Negra" - é um dos meteoritos mais famosos que nós já descobrimos
O NWA 7034 – vulgo “Beleza Negra” – é um dos meteoritos mais famosos que nós já descobrimos (Imagem: NASA/Divulgação)

A Cratera Karratha é o que geólogos chamam de “brecha”, uma formação rochosa cuja borda contém de fragmentos grandes, grossos e inclinados, mas o centro é geralmente composto de minerais mais finos. Pense nela como uma cesta de frutas. E o NWA 7032 é o único do tipo que nós temos.

publicidade

“Pela primeira vez, nós sabemos o contexto geológico da única amostra ‘brechada’ de solo marciano disponível na Terra”, disse o cientista planetário Anthony Lagain, que liderou o time de pesquisadores por trás do estudo.

“Encontrar a região de origem do meteorito conhecido como ‘Beleza Negra’ é essencial, pois ele contém alguns dos fragmentos mais antigos de Marte já encontrados, com cerca de 4,48 bilhões de anos, e mostra as semelhanças entre a crosta muito antiga de Marte – que tem mais ou menos 4,53 bilhões de anos, e os continentes atuais da Terra”, ele continuou.

publicidade
A cratera batizada de "Karratha", no hemisfério sul de Marte, é o ponto de origem do meteorito NWA 7034 - o mais antigo exemplar de rocha do planeta vermelho que temos
A cratera batizada de “Karratha”, no hemisfério sul de Marte, é o ponto de origem do meteorito NWA 7034 – o mais antigo exemplar de rocha do planeta vermelho que temos (Imagem: NASA/Divulgação)

“A região que identificamos como a fonte desse meteorito único de Marte constitui uma verdadeira janela aberta para os ambientes mais primordiais dos planetas, incluindo a Terra, os quais nosso planeta perdeu por causa das movimentações de placas tectônicas e da erosão”.

Meteoritos vindos de Marte atingindo a Terra não são exatamente uma novidade: já descobrimos cerca de 300 deles, provavelmente temos muitos outros esperando serem achados. O NWA 7034, no entanto, é único entre seus pares, pois se trata da única amostra de rocha, como disse Lagain, “brechada”. Nada mal para uma pedrinha não tão grande assim, pesando apenas 320 gramas (g) e que preenche um pouco menos que toda a palma da mão de um adulto.

O time usou o supercomputador dentro do Centro de Pesquisa Pawsey para empregar um algoritmo desenvolvido especificamente para analisar crateras de impacto. Depois de avaliar cerca de 90 milhões de crateras detectadas em Marte (pois é, ele leva muita porrada, aparentemente), os cientistas conseguiram fechar cada vez mais o “leque” de possibilidades de origem da “Beleza Negra”.

O meteorito NWA 7034 nasceu de dois impactos, não um: o primeiro choque, na Cratera Khujirt (foto) levantou destroços à atmosfera. Eles caíram de volta à superfície, quando o impacto da Cratera Karratha os expulsou para o espaço
O meteorito NWA 7034 nasceu de dois impactos, não um: o primeiro choque, na Cratera Khujirt (foto) levantou destroços à atmosfera. Eles caíram de volta à superfície, quando o impacto da Cratera Karratha os expulsou para o espaço (Imagem: NASA/Divulgação)

E o resultado foi duplamente interessante, pois não foi um, mas sim dois impactos que deram origem a um dos meteoritos mais famosos que já descobrimos: há cerca de 1,5 bilhão de anos, o primeiro choque (na Cratera Khujirt) desalojou os primeiros fragmentos desse meteorito no hemisfério sul de Marte. Esses fragmentos caíram de volta na superfície onde, entre 5 e 10 milhões de anos atrás, um segundo choque, que formou a Cratera Karratha, expulsou o material para o espaço.

A relevância desta descoberta traz um grande interesse para a comunidade científica: dentro da linha do tempo sugerida pelo estudo, é possível dizer que o NWA 7034 é um pedaço da superfície primordial de Marte e, assim, um objeto que pode nos contar muitos detalhes sobre a evolução geológica do planeta vermelho. Mais além, parâmetros de seus estudos futuros podem também ser aplicados a outras formações geológicas de grande interesse, como a Lua ou Mercúrio.

Um paper com todos os detalhes da pesquisa e sua conclusão foi publicado no jornal científico Nature Communications.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!