Pesquisadores criaram um sistema de “lasers vivos” capazes de se organizarem sozinhos e se transformarem a partir de uma configuração aleatória e conforme as condições específicas do ambiente. As inovações podem resultar em melhorias para os setores de tecnologia e saúde no futuro.

Utilizados em uma ampla gama de aparelhos e com diversas finalidades, os lasers podem ser definidos como um dispositivo que produz radiação eletromagnética monocromática e coerente nas regiões visíveis, infravermelha ou ultravioleta. Portanto, eles são mais do que meros feixes de luzes vermelhas e o novo estudo publicado nesta quinta-feira (14) comprova isso. 

Leia mais:

Segundo o artigo admitido na Nature Physics, um conjunto de lasers é capaz de se organizar sozinho, adaptando-se à evolução das condições ambientais para satisfazer necessidades específicas, formando o “laser-vivo”.  

publicidade

De acordo com os pesquisadores, a aplicação deste tipo de tecnologia pode ser imensa. Eles acreditam que essa tecnologia pode pavimentar o desenvolvimento de novos sensores, computadores, fontes de luz e outras exibições tecnológicas.  

Na medicina, a próxima geração óptica pode melhorar o desempenho dos dispositivos microscópicos que precisamente atingem malignidades dentro corpo eliminando-as antes que causem algum dano ao tecido saudável.   

Em uma publicação destinada à imprensa, o autor e físico Riccardo Sapienza, da Imperial College London, declarou “nós nos perguntamos se poderíamos criar um laser com a habilidade de misturar estrutura e funcionalidade, para reconfigurar a si mesmo e cooperar, assim como fazem os materiais biológicos”. 

Laser-vivo (imagem: Imperial College of London)

Descoberta do “laser-vivo”

Como parte do estudo, os pesquisadores suspenderam as micropartículas de dióxido de titânio em corante e adicionaram à mistura uma partícula especial, que foi revestida em apenas um lado com material que absorve luz. Após submeter a mistura a uma alta intensidade de luz, a luminosidade se difundiu para o outro lado da partícula. Essa situação resultou na aglomeração das micropartículas e elas passaram a agir como um “laser-vivo”, emitindo luz. 

Quando a fonte de luz foi desligada, as micropartículas foram espontaneamente desativadas – mas ao religar a fonte de luz, o resultado de re-acumulação foi muito mais rápido.  

Ensaios subsequentes mostraram que essas aglomerações eram capazes de comportamentos ainda maiores. Os pesquisadores decidiram realizar outro teste em que, ao invés de utilizar as partículas competitivamente, introduziu-se mais fontes de calor e os elementos passaram a cooperar e coletivamente melhorar a habilidade do laser de partículas de titânio. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!