Cada vez mais os jovens estão utilizando o TikTok como ferramenta de busca para sanar suas curiosidades. De preparo de uma receita, a busca por recomendações de filmes, até uma breve aula de história, tudo isso é consultado de forma rápida graças ao modelo de vídeos curtos que a plataforma apresenta. Entretanto, pesquisas recentes mostraram que a rede social também apresenta um número preocupante de informações enganosas sobre assuntos sérios. 

Em setembro, ao buscar por notícias importantes dentro do aplicativo, a organização de verificação de fatos encontrou desinformação presente em quase 20% dos vídeos exibidos como resultado da busca. Ao todo, 540 vídeos do TikTok foram analisados e, desse número, 105 estavam contendo “afirmações falsas ou enganosas”.

Leia mais:

“Isso significa que, para pesquisas realizadas em tópicos, que vão desde a invasão russa na Ucrânia a tiroteios em escolas e vacinas da COVID, os usuários do TikTok estão sendo constantemente alimentados com alegações falsas e enganosas”, afirmou a pesquisa.

publicidade

O estudo também observou que, enquanto os quatro analistas sediados nos Estados Unidos usavam termos de pesquisa neutros e mais conspiratórios, o próprio TikTok sugeria termos contrários constantemente. Ao digitar “mudança climática”, o aplicativo pode sugerir “mudança climática não existe” na busca e para “vacina COVID”, pode dar a sugestão de colocar “exposto” no final.

Como baixar áudio do TikTok
Kaspars Grinvalds/Shutterstock

“Nossas diretrizes da comunidade deixam claro que não permitimos desinformações prejudiciais, incluindo desinformação médica, e vamos removê-las da plataforma”, disse um porta-voz do TikTok. “Fazemos parceria com vozes credíveis para elevar o conteúdo oficial em tópicos relacionados à saúde pública e fazemos parceria com verificadores de fatos independentes que nos ajudam a avaliar a precisão do conteúdo”, completou.

“Mesmo um porta-voz da TikTok dizendo à NewsGuard em julho deste ano que vídeos promovendo abortos à base de ervas violavam as diretrizes do site e seriam removidos, a NewsGuard descobriu que dois meses depois, o conteúdo do aborto à base de ervas continua a ser facilmente acessível na plataforma”, explicou a organizadora da pesquisa.

“Embora nem todos os métodos ensinados no TikTok sejam letais, outros podem causar danos sérios. Dezenas de especialistas médicos disseram que tentar administrar um aborto com ervas não é seguro”, finalizou.

É importante sempre verificar duas vezes suas informações com fontes mais confiáveis, especialmente quando se trata de assuntos envolvendo saúde e política ou saúde.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!