A compra da Activision Blizzard por US$ 68,7 bilhões pela Microsoft terá que obter a aprovação de vários reguladores de todo o mundo antes que o acordo possa ser concluído, incluindo a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA). E a CMA, que anunciou sua análise pela primeira vez em julho, publicou um resumo de sua investigação inicial em setembro e recomendou algo ainda mais aprofundado. 

Como observa o Ars Technica, uma investigação da Fase 2 pode acabar proibindo a fusão ou exigindo que as entidades envolvidas vendam partes de alguma das empresas. Agora, logo após a CMA publicar o texto completo de sua decisão, a Microsoft divulgou uma resposta contundente, acusando o regulador de confiar “em declarações de interesses próprios da Sony“.

publicidade

Leia mais:

Em sua resposta que compartilhou com o Ars, a Microsoft afirmou que a decisão da CMA estava enraizada na preocupação de que o catálogo de jogos da Activision, especificamente a franquia Call of Duty , permita que o Xbox “encerre seus concorrentes”. A Microsoft chamou essa preocupação de “inapropriada”, argumentando que a CMA está exagerando a importância dos jogos da Activision Blizzard quando se trata de competição por espaço. Ela também disse que planeja tornar o Call of Duty mais acessível adicionando os títulos da Activision ao seu serviço de assinatura do Game Pass. 

publicidade

A Sony não gostou da ideia desse “aumento da concorrência”, disse a empresa, enfatizando que seu rival “protege suas receitas” ao não disponibilizar jogos recém-lançados através do PlayStation Plus. A Microsoft também disse que não há base para a ideia de que disponibilizar Call of Duty no Game Pass tornaria as pessoas mais propensas a comprar um console Xbox. A empresa disse que os jogos da franquia também estariam disponíveis para compra no PlayStation, e comprá-los seria mais barato do que comprar um Xbox para acesso ao Game Pass.

A CMA acatou as reclamações da Sony “sem o nível apropriado de revisão crítica”, continuou a Microsoft em sua contestação, e acrescentou: “A sugestão de que o líder de mercado incumbente, com poder de mercado claro e duradouro, poderia ser excluído pelo terceiro maior provedor como resultado da perda de acesso a um título não é crível”. A Microsoft escreveu em sua resposta que está ansiosa para trabalhar com o CMA na Fase 2 da investigação, e parece que está determinada a fazer o regulador entender os benefícios do acordo. 

publicidade

Quanto à Sony, um porta-voz repetiu sua posição em um comunicado enviado à Reuters, chamando o acordo de “ruim para a concorrência, ruim para a indústria de jogos e ruim para os próprios jogadores”. A aquisição da Microsoft daria ao ecossistema Xbox “uma combinação única de tecnologia e conteúdo”, disseram eles, o que, por sua vez, daria à gigante da tecnologia uma posição dominante em jogos que teria “consequências devastadoras para consumidores, desenvolvedores independentes e a própria Sony”.

Via Engadget

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!