Foi-se o tempo em que trabalhávamos apenas em computadores de mesa e jogávamos só nos consoles de videogame. Hoje em dia, trabalho e lazer se esbarram em notebooks, smartphones e tablets.

Por isso, é interessante conhecer modelos que aguentem o tranco tanto de longas horas de expediente quanto de jogatina. E que dêem conta de rodar programas pesados sem engasgar.

Leia mais:

Para te ajudar, o Olhar Digital montou uma lista de dez tablets potentes para trabalhar e jogar. Confira abaixo:

publicidade

iPad Pro (Apple)

Visões de cima e de lado de um iPad Pro com teclado e caneta
O iPad Pro é o modelo mais avançado de tablet da Apple (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

O iPad Pro 6ª geração é o topo de linha dos tablets da Apple. Ou seja, traz tudo que a empresa pode oferecer (e colocar) num aparelho desse tipo. É o melhor iPad para trabalhar, com tela de 12,9 polegadas, armazenamento interno de até 2 TB e 5G. Já o chip M2 – o processador mais avançado da marca – também o torna um aparelho excelente para jogar títulos pesados. O aparelho ainda é compatível com a caneta Apple Pencil, Magic Keyboard (teclado com trackpad da marca) e ecossistema da empresa (iPhone e Apple Watch, por exemplo).

iPad Air (Apple)

Visão de lado de um iPad Air
O iPad Air é menos parrudo que o iPad Pro, mas quase tão avançado quanto (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Já o iPad Air 5ª geração é menos parrudo que o iPad Pro – daí o nome, que faz alusão ao design mais fluido e compacto, com tela de 10,9 polegadas. Seu chip M1, apesar de mais modesto, também consegue rodar apps complexos de produtividade e jogos com gráficos pesados (tanto que também é usado nos notebooks da marca). Porém, seu armazenamento é de apenas 64 GB. E, assim como o Pro, dá para usar Apple Pencil e Magic Keyboard no iPad Air, além de usá-lo em paralelo (e sincronizado) com outros aparelhos da marca.

iPad mini (Apple)

Visão de frente e de costas de um iPad mini
Configuração avançada do iPad mini prova que tamanho não é documento (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Tamanho não é documento. Por isso, não se deixe enganar pelo tamanho do iPad mini 6ª geração. Primeiro que, por ser menor e mais leve que os outros, é mais confortável de usar. Segundo, o aparelho conta com chip A15 Bionic (mesmo processador do iPhone 13), 5G, suporte para Apple Pencil e sincronização com outros aparelhos da marca. Assim, o iPad mini aguenta tarefas relativamente complexas e jogatinas em jogos de peso.

iPad (Apple)

Visão de frente e de costas de um iPad
O iPad agora conta com design estilo Air e Pro, com up na potência (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

O iPad 10ª geração teve seu design repaginado – agora no estilo Air e Pro, com tela de 10,9 polegadas – e um up na potência. Seu chip A14 Bionic pode não ser o mais recente da marca, mas consegue realizar tarefas complexas (por exemplo, editar vídeos em 4K), além de rodar jogos com gráficos pesados sem engasgar. O modelo também é compatível com Apple Pencil, Magic Keyboard e funciona sincronizado a outros aparelhos da empresa.

Galaxy Tab S8 Ultra (Samsung)

Visão de lado de um Galaxy Tab S8 Ultra com teclado e caneta
Com teclado e caneta S Pen, Galaxy Tab S8 Ultra é um tablet excelente para trabalhar e jogar (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Como o nome já sugere, o Galaxy Tab S8 Ultra é o topo de linha dos tablets da Samsung. Seu diferencial é a tela de 14,6 polegadas (a maior da marca), com taxa de atualização de até 120 Hz. Seu processador Snapdragon 8 Gen 1, combinado aos 16 GB de RAM e armazenamento interno de até 512 GB, faz do S8 Ultra o melhor tablet para quem quer desempenho e qualidade de tela – seja para jogar ou trabalhar. E, assim como os iPads, seu potencial aumenta com a caneta S Pen, teclado com trackpad e ecossistema da marca.

Galaxy Tab S7 Plus (Samsung)

Visão da frente e das costas de um Galaxy Tab S7 Plus com caneta
O Galaxy Tab S7 Plus já foi um topo de linha da Samsung e ainda tem muito a oferecer (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Este já teve seus dias de glória, mas ainda oferece potência considerável para jogos e trabalho. Isso porque o Galaxy Tab S7 Plus foi o topo da linha da geração antecessora da atual de tablets da empresa. Sua tela é de 12,4 polegadas (com tecnologia Super Amoled), enquanto seu processador é o Snapdragon 865, da Qualcomm, que funciona articulado aos 8 GB de memória RAM. Assim como o S8 Ultra, o modelo é compatível com a S Pen e teclados.

Galaxy Tab S7 FE (Samsung)

Visão da frente e das costas de um Galaxy Tab S7 FE com caneta
A ficha técnica do Galaxy Tab S7 FE sofreu uns cortes para o preço ficar mais em conta (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Ele tem as características principais do Galaxy Tab S7, mas sua ficha técnica teve alguns cortes, para que o preço ficasse mais em conta. Daí o nome Galaxy Tab S7 FE. Mas ele ainda aguenta o tranco para trabalho e jogatinas, com processador octa-core com 2,2 GHz, 6 GB de memória RAM e armazenamento interno de 64 ou 128 GB, mas expansível até 1 TB. E o modelo vem com tela de 12,4 polegadas full HD e caneta S Pen – ótima para trabalhar e divertida para alguns tipos de jogos – de fábrica.

Galaxy Tab S6 Lite (Samsung)

Visão da frente e das costas de um Galaxy Tab S6 Lite
O maior destaque do intermediário Galaxy Tab S6 Lite é a S Pen, que vem de fábrica (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

O Galaxy Tab S6 Lite, por sua vez, é uma opção intermediária da Samsung (e uma versão econômica do Tab S6). Seu maior destaque é que a caneta S Pen já vem de fábrica. Apesar de não trazer configuração tão avançada (com chip Exynos 9611 e 4 GB de RAM), é um dos melhores modelos para o dia a dia, seja no quesito produtividade ou lazer. Outra vantagem é seu armazenamento interno: 64 ou 128 GB, mas expansível até 1 TB.

Galaxy Tab A8 (Samsung)

Visão da frente e das costas de um Galaxy Tab A8
O Galaxy Tab A8 é um modelo de entrada mais voltado para a produtividade, mas consegue rodar jogos leves (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Já o Galaxy Tab A8 é um tablet de entrada da Samsung mais voltado para produtividade. O modelo traz bordas mais finas e processador mais potente que seu antecessor, além de tela de 10,5 polegadas, com taxa de atualização de 60 Hz. Combinado aos 4 GB de memória RAM, o tablet dá conta de rodar aplicativos do dia a dia e jogos leves. Ou seja, não é uma Ferrari no quesito potência, mas aguenta um tranco considerável.

Pad 5 (Xiaomi)

Três cores do Pad 5 da Xiaomi e caneta
O Pad 5, da Xiaomi, entrega bom desempenho para trabalho e lazer, segundo a empresa (Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Por fim, o Pad 5, da Xiaomi, também traz configuração que, segundo a empresa, entrega bom desempenho tanto para trabalho quanto lazer. O tablet conta com processador Snapdragon 860, 6 GB de memória RAM e tela de 11 polegadas, com taxa de atualização de 120 Hz e tecnologia True Display (ou Tela Realista). Seu design fino e leve torna seu uso bem confortável por períodos longos, ideal para horas de expediente e/ou jogatinas.

Imagem de destaque: Pedro Spadoni / Olhar Digital

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!