Na última sexta-feira (10), cinco empresas chinesas e um instituto de pesquisas da China foram colocados em uma lista de restrições dos EUA por suspeita de envolvimento no caso do “balão espião”. Segundo as autoridades norte-americanas, essas entidades podem estar ligadas a programas aeroespaciais chineses com propósito de vigilância indevida.

Balão espião

A decisão foi tomada alguns alguns dias após um balão ser detectado no espaço aéreo dos EUA, na região de Montana. O objeto foi apontado como tendo origem chinesa e estava sobrevoando um local que contém informações importantes de segurança nacional norte-americana.

Leia também:

As restrições às entidades chinesas inseridas na lista vão dificultar o acesso a recursos tecnológicos vinculados aos EUA. Algo que acaba dando um tempero a mais à guerra comercial entre Washington e Pequim.

publicidade

Por sua vez, o balão suspeito foi abatido há cerca de uma semana. Enquanto os norte-americanos afirmam que ele estava dotado de equipamentos de espionagem, os chineses dizem que se tratava de um simples balão meteorológico que perdeu o rumo.

EUA derrubam objeto voador

Também na última sexta-feira, as Forças Armadas dos EUA derrubaram um objeto voador no Alasca. A origem dele ainda é desconhecida, assim como a possibilidade do elemento possuir tecnologia militar.

O que se sabe é que a estrutura do objeto não é igual à do balão derrubado na semana passada. E, de acordo com as informações até o momento, ele foi derrubado porque estava em uma altitude potencialmente de risco para aeronaves civis.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Imagem: icedmocha/Shutterstock