O aumento da concorrência, os incentivos governamentais e a queda dos preços do lítio e de outros materiais para baterias estão tornando os veículos elétricos visivelmente mais acessíveis.

Leia mais:

Vídeo relacionado

O ponto de inflexão quando os veículos elétricos se tornarem tão ou mais baratos que os carros com motores de combustão interna pode chegar este ano para alguns modelos de mercado de massa e já é o caso de alguns veículos de luxo.

É provável que os preços continuem caindo à medida que Tesla, GM, Ford e seus fornecedores de baterias inauguram novas fábricas, colhendo economias de custos provenientes da produção em massa. Novos veículos elétricos de empresas como Volkswagen, Nissan e Hyundai aumentarão a pressão competitiva.

publicidade

A versão movida a bateria do crossover Equinox da GM, por exemplo, começará em torno de US$ 30 mil quando chegar neste outono, disse a montadora. Isso é US$ 3,4 mil a mais do que o Equinox movido a gasolina menos caro.

Mas considerando os incentivos do governo, o Equinócio elétrico deve ser mais barato. Como todos os veículos elétricos, o carro precisará de menos manutenção e a eletricidade para movê-lo custará menos do que a gasolina usada por seu motor de combustão equivalente.

publicidade

Apenas alguns meses atrás, os compradores de veículos elétricos enfrentavam longas listas de espera e os revendedores aumentavam os preços em milhares de dólares.

Os veículos elétricos usados às vezes eram vendidos por mais do que os novos porque os compradores estavam dispostos a pagar um prêmio para obter um imediatamente. No final de 2022, o preço médio de um veículo elétrico era de US$ 61,48 mil, em comparação com US$ 49,5 mil para todos os carros de passeio e caminhões, de acordo com o Kelley Blue Book.

publicidade

Ainda há filas de espera para alguns modelos como a picape Ford F-150 Lightning, mas ficou mais fácil e barato encontrar e comprar modelos elétricos novos e usados.

A primeira grande brecha na tendência de alta dos preços ocorreu em janeiro, quando a Tesla cortou os preços do Modelo 3 e do Modelo Y, os dois carros elétricos mais vendidos, em milhares de dólares.

Com um preço inicial de US$ 43,5 mil antes dos incentivos do governo dos EUA, um Modelo 3 agora custa US$ 300 a menos do que o sedã BMW Série 3 mais barato. Um Modelo Y, a US$ 55 mil antes dos créditos fiscais, custa quase tanto quanto um Lexus RX comparável.

A Ford também cortou o preço de seu Mustang Mach-E, o veículo elétrico mais vendido nos Estados Unidos depois dos Teslas. Até a Lucid Motors, fabricante de sedãs elétricos caros que não se qualificam para créditos fiscais estadunidenses, está se sentindo pressionada a cortar preços e, nesta semana, começou a oferecer descontos de US$ 7,5 mil em carros que custam a partir de US$ 107,4 mil.

A Tesla “viu que há concorrência crescente e parte da concorrência é muito boa”, disse Brian Moody, editor executivo da Kelley Blue Book. Ele acrescentou: “Se o vendedor número 1 de um determinado tipo de carro reduzir seus preços, isso terá impacto na média.”

O maior impulso para os cortes de preços veio da Lei de Redução da Inflação, legislação aprovada pelos democratas no Congresso dos EUA no ano passado e que fornece créditos fiscais de até US$ 7,5 mil para compradores de carros elétricos.

Imagem: Divulgação/Citroën

Para se qualificar, os sedãs híbridos movidos a bateria ou plug-in precisam ser vendidos por menos de US$ 55 mil, enquanto picapes e veículos utilitários esportivos se qualificam apenas se o preço de varejo estiver abaixo de US$ 80 mil. Ao reduzir os preços, Ford e Tesla aumentaram o número de modelos que podem se beneficiar dos créditos fiscais.

Os fabricantes “estão trabalhando para continuar a atrair compradores, tornando esses veículos elegíveis para créditos fiscais”, disse Jenni Newman, editora-chefe do Cars.com, site de vendas online de automóveis.

Potencialmente mais significativos são os subsídios pagos a empresas que fabricam baterias nos Estados Unidos, parte de esforço do governo Biden para estabelecer cadeia de suprimentos doméstica e reduzir a dependência da China.

Os subsídios, que também faziam parte da Lei de Redução da Inflação, poderiam reduzir o custo de fabricação de veículos elétricos em até US$ 9 mil. Essa redução e os créditos fiscais para compradores de carros elétricos podem permitir que os veículos movidos a bateria atinjam a paridade de preços com os carros a gasolina ainda neste ano, de acordo com o Conselho Internacional de Transporte Limpo, grupo de pesquisa e defesa. Isso é três a cinco anos mais cedo do que seria o caso sem incentivos.

“Se as montadoras passarem isso para os consumidores, eles realmente se beneficiarão”, disse Stephanie Searle, diretora de programa do conselho que supervisiona pesquisas sobre veículos de passeio.

A queda nos preços dos carros novos também está pressionando os preços dos veículos elétricos usados. Eles caíram 17% desde julho, segundo a Recurrent, que acompanha o mercado de carros usados. Isso ocorre principalmente porque a Tesla cortou o preço do Model 3 e a GM baixou o preço do Chevrolet Bolt em quase US$ 6 mil no ano passado.

De acordo com a Lei de Redução da Inflação, os carros usados também podem se qualificar para crédito fiscal de até US$ 4 mil. Isso é importante porque a maioria das pessoas compra veículos usados.

A queda dos preços de materiais como lítio e cobalto também ajudou. O preço do lítio usado em baterias caiu 20% em relação ao pico de novembro, embora o metal ainda custe mais que o dobro do que custava no final de 2021. O cobalto caiu mais da metade desde maio, em parte porque as montadoras estão vendendo alguns modelos que não o exigem, reduzindo a demanda.

Novas minas de lítio estão começando a produzir minério, o que pode conter os preços. A Sigma Lithium começará a enviar matéria-prima de um local no Brasil para a LG Energy Solution, seu principal cliente, já em abril, disse Ana Cabral Gardner, diretora executiva da Sigma Lithium, em entrevista. O local será a primeira nova fonte de lítio na América Latina em vários anos. “É factível e estamos lá”, disse Gardner.

Obviamente, essas vantagens podem desaparecer devido a novos problemas na cadeia de suprimentos. O lítio continua em falta e os preços podem subir novamente.

A partir do próximo mês, novos regulamentos que regem os créditos fiscais de US$ 7,5 mil exigirão que as baterias de carros elétricos sejam fabricadas nos Estados Unidos, Canadá ou México com matérias-primas da América do Norte ou de outro aliado comercial dos EUA. Não está claro quantos veículos atenderão a esses requisitos.

No momento, os créditos fiscais da Lei de Redução da Inflação estão disponíveis para veículos montados na América do Norte, o que protege parcialmente as montadoras locais de concorrentes como a Hyundai.

Carregador do tipo 2 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)
Carregador do tipo 2 (Imagem: André Fogaça/Olhar Digital)

O Ioniq 5 da empresa vendeu bem, mas é importado da Coreia do Sul. A Hyundai está construindo fábrica na Geórgia que começará a montar veículos elétricos em 2025 (os compradores ainda podem coletar crédito fiscal indiretamente se alugarem veículos elétricos fabricados no exterior).

O Departamento do Tesouro, responsável pela execução da Lei de Redução da Inflação, cedeu ao lobby da indústria automobilística este mês e classificou vários crossovers populares como SUVs em vez de sedãs.

Isso permite que veículos como o Mustang Mach-E e todas as versões do Model Y se qualifiquem para créditos fiscais se forem vendidos por US$ 80 mil ou menos. Antes dessa mudança, o Mustang e as versões mais leves do Model Y eram classificados como sedãs, sujeitos ao limite de US$ 55 mil.

A decisão remove alguma pressão sobre as montadoras para manter os preços baixos. A Tesla aumentou rapidamente o preço do Model Y em US$ 2 mil. A Ford disse que não tinha planos de aumentar os preços do Mach-E.

A Lei de Redução da Inflação também está sendo atacada por muitos congressistas republicanos, embora montadoras e empresas de baterias estejam construindo fábricas em estados como Carolina do Sul, Texas e Tennessee, onde os eleitores tendem a eleger republicanos.

Mas, sem dúvida, a força mais poderosa que reduz os preços não são os mercados de commodities ou Washington.

À medida que as vendas de veículos elétricos disparam – subindo 66% nos Estados Unidos no ano passado, para 810 mil, de acordo com Kelley Blue Book – as montadoras estão melhorando em produzi-los.

A Ford reduziu o peso do Mach-E em 30 quilos, aumentando o alcance e reduzindo os custos, eliminando parte da fiação, disse Jim Farley, presidente-executivo da empresa, a investidores neste mês.

A GM e a LG Energy Solution começaram a produzir baterias em nova fábrica em Ohio no ano passado por meio de joint venture, a Ultium Cells. Espera-se que uma segunda fábrica de Ultium, no Tennessee, comece a produção este ano, e uma terceira está prevista para Michigan. De modo geral, os custos diminuem à medida que as empresas produzem mais de um produto.

Executivos do setor automotivo dizem que estão descobrindo que é mais fácil e barato projetar e construir novos modelos elétricos do que os movidos a gasolina.

As células de bateria da Ultium, por exemplo, fazem parte de conjunto de componentes que podem ser misturados e combinados em diversos tipos de veículos. As montadoras há muito usam as mesmas plataformas em vários modelos, mas a estratégia funciona ainda melhor com veículos elétricos porque os carros têm muito menos peças do que os veículos de combustão interna.

A plataforma Ultium reduz o tempo necessário para desenvolver novo veículo em quase dois anos, disse Dan Nicholson, vice-presidente de eletrificação da GM, em conferência do FED (Federal Reserve Bank) de Chicago em janeiro.

Com isso, a GM poderá apresentar três veículos elétricos Chevrolet este ano: o Equinox, uma picape Silverado e um Blazer SUV. “É assim que conseguimos economias de escala”, disse Nicholson.

Os fornecedores também têm buscado eficiência. A Matthews International, com sede em Pittsburgh, desenvolveu processo para revestir a folha de metal que separa os eletrodos positivo e negativo de uma bateria. Em vez de solução líquida, o processo usa um pó.

O processo requer menos equipamento e muito menos espaço, disse Greg Babe, diretor de tecnologia da empresa. Esses tipos de melhorias incrementais reduzem os custos sem grandes avanços técnicos.

O interesse pela abordagem desenvolvida por Matthews aumentou desde que o presidente Biden assinou a Lei de Redução da Inflação. “Mudou quase da noite para o dia”, disse Babe. “As comportas se abriram.”

Via The New York Times

Imagem destacada: Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!